Esta é a primeira Cidade do Rock Inteligente

Uma das inovações acaba com um dos principais problemas dos festivaleiros, permitindo saber em todo o recinto quais são as casas de banho livres

"Otimizar". Foi este o verbo que mais se ouviu nesta quinta-feira, na apresentação daquela que será a "primeira Cidade do Rock Inteligente", criada pela Vodafone no recinto do Rock in Rio Lisboa (RiR).

Como numa cidade, ao longo de cinco dias também ali existirá uma população (cerca de 60 mil pessoas por dia, em média) e serviços vários. Nesta edição, a sétima em Portugal, que começa na quinta-feira (com Bruce Springsteen como cabeça de cartaz) e sexta-feira da próxima semana, e continua nos dias 27, 28 e 29 de maio, a cidade torna-se "inteligente".

Haverá gestão do consumo energético dos quatro palcos do festival - Palco Mundo, Palco Vodafone, Tenda VIP, e Tenda Eletrónica -, e monitorização dos reservatórios de água, para garantir que esta não falta em momento algum nos quatro hectares que tem o Parque da Bela Vista.

Além destas, haverá igualmente uma gestão dos resíduos sólidos, otimizando os processos de limpeza, e um controlo de qualidade do ar, com resultados divulgados em tempo real. Igualmente em tempo real existirá aquela que terá talvez um impacto mais imediato nesta edição do festival: um sistema que permite "otimizar" as quatro zonas de casas de banho.

João Mendes Dias, administrador da Vodafone (principal patrocinador do RiR), bem avisou os jornalistas que haveria de falar mais do que uma vez de casas de banho. Pensando na característica enchente nas casas de banho durante o festival, essa será uma das modificações introduzidas pela "otimização" desta edição do RiR.

Em todo o recinto haverá painéis onde será possível ver as taxas de ocupação das casas de banho, para que as pessoas saibam quais estão livres. Além dos painéis, a partir da aplicação Vodafone Rock In Rio será sempre possível ver, tal como se pode pesquisar pelos concertos do dia nos vários palcos, quais são as casas de banho disponíveis.

Esta ferramenta da "cidade inteligente" permitirá ainda dar conta de tempos de ocupação "anormalmente longos" das casas de banho, notou Mendes Dias, permitindo que as autoridades médicas possam intervir em caso de necessidade.

Quanto aos custos do sistema da Gestão Técnica Centralizada da Vodafone - desenvolvido em parceria com a empresa portuguesa SSA Dynamics - e às poupanças que dele poderão resultar, ainda não há quaisquer dados. Este é sobretudo um ano de estudo e experimentação, para que a eficiência e - a tão referida - "otimização" possam ser postas em prática nas próximas edições do RiR.

Para que a "cidade inteligente" funcione, haverá dezenas de equipamentos e sensores espalhados pelo recinto para recolha de informação. Esta será tratada no Centro de Controlo Operacional do Rock in Rio-Lisboa, a par de toda a logística que diz respeito aos serviços médicos, policiais e a toda a produção do festival.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.