Elton John anuncia adeus aos palcos... com digressão de mais de 300 concertos

Primeiro espetáculo está marcado para 8 de setembro, na Pensilvânia, Estados Unidos. Digressão Farewell Yellow Brick Road levará o músico britânico a palcos de cinco continentes. A 2 de maio chega à Europa, não havendo ainda indicação de possível data em Portugal

"Chegou a hora de deixar as digressões para poder dedicar-me a tempo inteiro ao próximo capítulo importante da minha vida. Preciso de dedicar mais tempo aos meus filhos". Foi assim que ontem Elton John anunciou o final da sua carreira de mais de 50 anos, com mais de 300 milhões de discos vendidos. Um adeus em grande, pode dizer-se. Para se despedir e agradecer "a todas as pessoas", o cantor, que a 25 de março completa 71 anos, revelou que irá fazer uma última digressão, a Farewell Yellow Brick Road Tour, que o levará aos cinco continentes, durante três anos, num total de mais de 300 espetáculos.

"When are you going to come down?/When are you going do land?" pergunta o músico britânico no tema-título do seu álbum de 1973 Goodbye Yellow Brick Road, inspiração clara ao nome dado à digressão ontem anunciada e que 45 anos depois parece vir responder a essa questão.

Numa conferência de imprensa que os fãs puderam acompanhar em direto nas redes sociais, a partir do Gotham Hall, em Nova Iorque, o cantor anunciou a sua decisão. "Tive uma vida maravilhosa e uma carreira maravilhosa", disse, prometendo não parar de criar, apenas de viajar. Na última tournée, os filhos vão acompanhá-lo com um tutor, anunciou. "Quando [a digressão] acabar terão dez e oito anos e essa é uma altura muito importante na vida deles. Não os quero perder. Nem eles a mim", disse referindo-se a Zachary e Elijah. "Sempre pensei que iria ser como Ray Charles, BB King - na estrada para sempre -, mas as minhas prioridades mudaram. Tivemos filhos e eu mudei as nossas vidas", disse.

O cantor - que ainda esta segunda-feira esteve na Suíça, em Davos, no Fórum Económico Mundial, onde recebeu um prémio que reconhece o seu trabalho através da Elton John Aids Foundation - revelou ainda que o espetáculo a apresentar nesta digressão vai ser "o mais produzido e fantástico" que já fez. Uma promessa que fez envergando um brilhante e colorido blazer com as palavras "Gucci Loves Elton" gravadas nas costas, marca de moda que irá criar todo o guarda-fato da tournée.

O início da digressão está marcado para 8 de setembro, em Allentown, na Pensilvânia e só chegará à Europa a 2 de maio de 2019 para um espetáculo em Viena de Áustria. Seguem-se várias datas sendo as últimas duas conhecidas as de 29 e 30 de junho de 2019, no Festival de Jazz de Montreux, na Suíça. Fica ainda por saber se o cantor regressará a Portugal onde atuou pela primeira vez em 1971, na edição inaugural do Festival de Vilar de Mouros, tendo depois regressado diversas vezes, duas das quais em 2016 (no Meo Marés Vivas, em Vila Nova de Gaia, e a 11 de dezembro para atuar na Altice Arena). Ficaram célebres duas passagens suas por Portugal: em 1992, pelo Estádio de Alvalade, com um concerto memorável, e depois em 2000 quando já em Portugal recusou atuar no Casino Estoril alegadamente por a sala estar cheia de fumadores. Na versão não oficial, ficou para as crónicas um arrufo de namorados nos bastidores com o companheiro David Furnish.

No ano passado, Elton John foi forçado a cancelar nove espetáculos em Las Vegas e na Califórnia devido a uma infeção contraída durante a digressão na América do Sul. Nessa altura esteve 12 dias internado. Apesar disso, durante o ano de 2017 apresentou 87 concertos na Europa, na Austrália e em Las Vegas. Além disso, também participou no filme Kingsman: O Círculo Dourado, de Matthew Vaughn.

Ontem o músico descansou os fãs quanto ao seu estado de saúde, dizendo que se está a anunciar uma digressão com 300 datas é porque se sente bem. No domingo, o músico deve subir ao palco da cerimónia dos prémios Grammy para cantar um dueto com Miley Cyrus. Além disso, dois dias depois, na terça-feira, será o anfitrião num concerto especial em sua homenagem no Madison Square Garden, em Nova Iorque, que conta com a participação de nomes como Sam Smith, Chris Martin, John Legend ou Keith Urban.

Atualmente, está ainda a trabalhar com o dramaturgo Paul Rudnick no musical da Broadway baseado no filme de 2006 O Diabo Veste Prada. Também está a trabalhar na banda sonora do novo filme da Disney sobre a versão animada de O Rei Leão (o filme é realizado por Jon Favreau e deverá estrear no próximo ano). E ainda tem entre mãos o filme de animação Sherlock Gnomes, do qual é um dos produtores e que deverá estrear este ano.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.