Ed Sheeran: dividir para reinar nos tops

Ainda não superou Adele, mas o último disco do músico britânico, ÷ Divide, tem batido todos os recordes de vendas possíveis.

O disco chama-se ÷ Divide mas, na verdade, o seu efeito tem sido multiplicador. Lançado a 3 de março, o novo álbum do britânico Ed Sheeran tem vindo a bater todos os recordes. Cinco dias depois, o disco já tinha mais 273 milhões de streamings (audições em formato digital) na plataforma Spotify. O recorde anterior pertencia aos The Weeknd que, em novembro passado, tinham conseguido 223 milhões de streamings em sete dias do seu Starboy.

Claro que nessa mesma semana o disco do músico de 26 anos já estava no primeiro lugar do top oficial de vendas no Reino Unido, com 672 mil exemplares vendidos (em formato físico ou digital), tornando-se o álbum de um artista masculino que mais vendeu na primeira semana - e o terceiro mais vendido de sempre nesse período, logo a seguir ao 25 de Adele e a Be Here Now dos Oasis. Além disso, o disco chegou aos tops em mais 14 países, incluindo os Estados Unidos, onde vendeu 322 mil cópias numa semana.

E na semana seguinte mais um recorde: todas as 16 canções de ÷ Divide estavam no top 20 de singles no Reino Unido. O recorde anterior - de cinco singles simultaneamente no top 20 - era partilhado por Ruby Murray (1955), Bill Halley and His Comets (1956), Elvis Presley (1957) e Michael Jackson (2009). Mas é muito complicado estabelecer comparações porque hoje em dia os músicos podem escolher um dos temas para divulgar inicialmente (no caso de Ed Sheeran, Shape of You, lançado a 9 de janeiro tornou-se imediatamente o tema mais ouvido em 24 horas no Spotify) mas assim que o disco é colocado à venda todos os temas entram também no mercado individualmente, uma vez que, desde 2014, o top de singles conjuga as vendas legais em formato digital (como o iTunes) e os números do streaming em plataformas como Spotify, Google Play e Apple Music.

Isto significa que hoje em dia os tops refletem o que serão as músicas mais ouvidas (ou, pelo menos, mais ouvidas nestas plataformas) enquanto há uma década ainda se procurava saber quais eram os artistas que mais vendiam. A questão tem sido levantada por alguns especialistas e é possível que o modelo venha a ser repensado.

Até lá, e indiferente à polémica, o músico responsável por temas orelhudos, como Stay With Me, Thinking Out Loud ou I See Fire, continua a escalada pela fama, agarrado à sua guitarra. O seu nome está associado, por exemplo, aos One Direction (para quem escreveu a canção Moments, entre outras), a Taylor Swift (com quem fez Everything Has Changed, do álbum Red, e com quem tocou em digressão) ou a Justin Bieber (a quem ofereceu Love Yourself). Aos 26 anos e com três álbuns editados, já recebeu dois Grammy, entre muitos outros prémios e nomeações. No final de 2016, a Forbes avaliava a sua fortuna em cerca de 33,5 milhões de dólares (31 milhões de euros), o que o colocava na 82.ª posição entre as 100 celebridades mais bem pagas do mundo.

Ed Sheeran está neste momento na estrada e já se sabe que vai ser cabeça de cartaz no próximo festival de Glastonbury (Sheeran atua no domingo, 25 de junho, enquanto os Radiohead são os nomes mais fortes de sexta-feira e os Foo Fighters no sábado). O músico já tinha atuado no festival em 2011 mas num palco secundário. E também já se sabe que Ed Sheeran vai ter uma participação especial na sétima temporada da série da HBO Guerra de Tronos, que estreia a 16 de julho.

Depois do sucesso de + Plus (2011), x Multiply (2014) e ÷ Divide (2017), espera-se que o próximo disco de Ed Sheeran seja uma subtração. Resta saber como será o algoritmo dos recordes então.

Exclusivos

Premium

Primeiro-secretário da Área Metropolitana de Lisboa

Carlos Humberto: "Era preciso uma medida disruptiva que trouxesse mais gente ao transporte coletivo"

O novo passe Navegante abriu aos cidadãos da Área Metropolitana de Lisboa a porta de todos os transportes públicos, revolucionando o sistema de utilização dos mesmos. A medida é aplaudida por todos, mas os operadores não estavam preparados para a revolução e agudizaram-se problemas antigos: sobrelotação, tempos de espera, supressão de serviços, degradação de equipamentos.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Berlim, junto aos Himalaias

Há 30 anos exatos, Berlim deixou de ser uma ilha. Vou hoje contar uma história pessoal desse tempo muralhado e insular, num dos mais estimulantes períodos da minha vida. A primeira cena decorre em dezembro de 1972, no Sanatório das Penhas da Saúde, já em decadência. Com 15 anos acabados de fazer, integro um grupo de jovens que vão treinar na neve abundante da serra da Estrela o que aprenderam na teoria sobre escalada na neve e no gelo. A narrativa de um alpinista alemão, dos anos 1920 e 1930, sobre a dureza das altas montanhas, que tirou a vida a muitos dos seus companheiros, causou-me uma forte impressão. A segunda cena decorre em abril de 1988, nos primeiros dias da minha estada em Berlim, no árduo processo de elaboração de uma tese de doutoramento sobre Kant. Tenho o acesso às bibliotecas da Universidade Livre e um quarto alugado numa zona central, na Motzstrasse. Uma rua parcialmente poupada pela Segunda Guerra Mundial, e onde foram filmadas em 1931 algumas das cenas do filme Emílio e os Detectives, baseado no livro de Erich Kästner (1899-1974).Quase ao lado da "minha" casa, viveu Rudolf Steiner (1861-1925), fundador da antroposofia. Foi o meu amigo, filósofo e ecologista, Frieder Otto Wolf, quem me recomendou à família que me acolhe. A concentração no estudo obriga a levantar-me cedo e a voltar tarde a casa. Contudo, no primeiro fim de semana almoço com os meus anfitriões. Os dois adolescentes da família, o Boris e o Philipp, perguntam-me sobre Portugal. Falo no mar, nas praias, e nas montanhas. Arrábida, Sintra, Estrela... O Philipp, distraidamente, diz-me que o seu avô também gostava de montanhas. Cinco minutos depois, chego à conclusão de que estou na casa da filha e dos netos de Paul Bauer (1896-1990), o autor dos textos que me impressionaram em 1972. Eles ficam surpreendidos por eu saber da sua existência. E eu admirado por ele ainda se encontrar vivo. Paul Bauer foi, provavelmente, o maior alpinista alemão de todos os tempos, e um dos pioneiros das grandes montanhas dos Himalaias acima dos 8000 metros. Contudo, não teria êxito em nenhuma das duas grandes montanhas a que almejou. As expedições que chefiou, em 1929 e 1931, ao pico de 8568 metros do Kanchenjunga (hoje, na fronteira entre a Índia e o Nepal) terminaram em perdas humanas. Do mesmo modo, o Nanga Parbat, com os seus 8112 m, seria objeto de várias expedições germânicas marcadas pela tragédia. Dez mortos na expedição chefiada por Willy Merkl, em 1934, e 16 mortos numa avalancha, na primeira expedição comandada por Paul Bauer a essa montanha paquistanesa em 1937. A valentia dos alpinistas alemães não poderia substituir a tecnologia de apoio à escalada que só os anos 50 trariam. Bauer simboliza, à sua maneira, esse culto germânico da vontade, que tanto pode ser admirável, como já foi terrível para a Alemanha, a Europa e o mundo. Este meu longo encontro e convívio com a família de Paul Bauer, roça o inverosímil. Mas a realidade gosta de troçar do cálculo das probabilidades.