Da escravatura a Oprah. EUA abrem museu da História afro-americana

Os EUA inauguram hoje o Museu Nacional de História e Cultura Africana Americana, pela mão do primeiro presidente negro. Uma história que começa nos navios negreiros que cruzaram o Atlântico e termina no sofá da apresentadora de TV mais conhecida do mundo.

O discurso de Michelle Obama empolgou a Convenção dos Democratas, em julho. "Essa é a história deste país. A história que nos fez chegar até este palco esta noite. A história de gerações que sentiram as chicotadas da servidão, a vergonha da escravidão, a picada da segregação, mas que continuaram a lutar, com esperança e fazendo o que era preciso fazer para que hoje eu possa acordar todas as manhãs numa casa que foi construída por escravos". A primeira dama dos EUA manifestava o seu apoio a Hillary Clinton e resumia, dois meses antes, o que se poderá ver no Museu Nacional de História e Cultura Africana Americana, que o marido, Barack Obama inaugura hoje, em Washington.

Um edifício novo com vista para a Casa Branca, num momento histórico, a meses do fim de um mandato histórico, o do primeiro presidente afro-americano e que há uma semana também entrou na campanha eleitoral. Barack Obama usou-o como resposta política a Donald Trump. O adversário de Hillary Clinton afirmou que nunca houve tempo pior para a população negra do que hoje. "Ele faltou à aula sobre escravatura e Jim Crow, mas temos um museu que pode visitar", afirmou o presidente dos EUA. "Vamos educá-lo."

Barack Obama esteve no lançamento da primeira pedra do museu, na Constitution Avenue, em 2012. Já era presidente quando o projeto começou a avançar, em 2009. Herdou-o de George W. Bush que em 1993 assinou a lei do Congresso que ditava a sua criação, já com atraso em relação às expectativas de quem primeiro o pensou: veteranos da guerra, em 1915. Um núcleo museológico, A Century in the Making (um século a fazer), procura falar desse longo processo que termina hoje com a inauguração do Museu Nacional de História e Cultura Africana Americana (MNHCAA).

Pelos seus 10 andares, cinco deles subterrâneos, e 122 mil metros quadros de construção, espalham-se 37 mil objetos, de várias coleções, que falam de escravatura e libertação, a era segregação, entre 1876 e 1968, e o que veio depois da longa marcha pelos direito civis. Com paragem obrigatória pelas artes, pelo desporto e pela música.

De elevador até ao passado

É pela história mais longínqua, no século XV, que começa a visita. Um elevador especial leva os visitantes a 21 metros de profundidade no edifício concebido pelo consórcio The Freelon Group, Adjaye Associates, Davis Brody Bond e o SmithGroupJJR.

Lingotes de ferro atestam o transporte de escravos em navios que cruzavam o Atlântico, da costa africana até à América - uma parte da História que obriga a falar de Portugal.

Em depósito no MNHCAA por 10 anos, as barras de ferro que podem ser vistas na exposição foram encontradas entre os destroços descobertos ao largo da Cidade do Cabo, entre 2010 e 2011. Pertenciam a um navio de carga português, o São José, que partiu de Lisboa para Moçambique com 1130 lingotes de ferro a bordo, segundo o registo do ano de 1764 encontrado no Arquivo Histórico Ultramarino, em Lisboa, por investigadores da Universidade de Maputo que colaboraram com o Slave Wrecks Project.

Os achados, encontrados pela equipa liderada pelo arqueólogo Stephen Lubkemann, pertencem ao museu Isiko, na África do Sul. Serviam de lastro para compensar o peso (leve) das pessoas que levavam a bordo. Encontrar o manifesto de carga no navio do comandante Manoel João, naufragado ao largo da Cidade do Cabo, foi fundamental para unir as pontas soltas desta história.

"Passei anos à procura de destroços de navios negreiros, como uma relíquia religiosa", explicou ao Washington Post o diretor do MNHCAA. Por que razão eram tão importantes? "Eram a única prova tangível de que estas pessoas existiram", explicou Lonnie G. Bunch III. ap Washington Post.

Escravatura e segregação

Aos navios seguem-se as plantações, de que é testemunho a cabana da primeira metade do século XIX que vem de Charleston, na Carolina do Sul. Foi recriada no museu, após doação da Sociedade Edisto para a Preservação Histórica.

Nas salas do museu mostram-se peças de roupa e grilhetas de crianças e também trajes do Ku Klux Klan ao lado de um sinal de "whites only" (apenas brancos). Um comboio mostra a separação entre brancos e negros nos transportes públicos e um vestido usado por Rosa Parks, a mulher que em 1955 recusou a sentar-se nos lugares que estavam destinados a negros.

"O museu será mais do que uma coleção de objetos", garante o diretor e fundador, antigo presidente da Sociedade de História de Chicago. Está à frente do museu desde 2005, e tem mostrado o acervo em exposições que circularam pelos EUA. "Este será um sítio que nos lembre onde estivemos, os desafios que ainda enfrentamos e que aponte para o que podemos vir a ser - um museu para todos os americanos", escreve Lonnie G.Bunch numa carta pública.

Um comunicado do próprio museu, sublinha a sua importância nos EUA em 2016: "Não podia chegar num momento mais significativo, com Obama no final do seu segundo mandato e as manifestações do Black Lives Matter cada vez maiores e mais apaixonadas". Punha o dedo na ferida histórica. "É o reconhecimento institucional de más práticas, o reconhecimento de uma luta e, melhor do que tudo, o testemunho de um feito."

Três outras galerias, com vistas mais desafogadas para a cidade de Washington, falam de artes, de desporto e música. O Cadillac de Chuck Berry convive com a t-shirt usada por Michael Jackson na digressão de 1984, os sapatos de Sammy Davis Jr, o capacete de Muhammad Ali e os ténis de Michael Jordan. Os seus afundanços misturam-se com as imagens dos telediscos de Beyoncé.

O nome do basquetebolista aparece, também, com destaque, na lista, vasta, de pessoas e empresas que contribuíram para a construção do museu, a mais recente incorporação no universo de 19 museus do Smithsonian.

Oprah na lista dos que mais doaram

O museu custou 540 milhões de dólares, 481 milhões se falarmos em moeda europeia. Destes, 241 milhões de euros foram financiados pelo Congresso. O restante foi reunido com doações privadas. De fundações como a Bill e Melinda Gates a empresas como a Walmart ou Walt Disney. Uma das mais importantes é a fundação de Oprah Winfrey. A mais popular apresentadora de televisão dos EUA doou 20 milhões de dólares (17,8 milhões de euros). Mais: cedeu o famoso sofá bege onde Tom Cruise saltou várias vezes proclamando o seu amor por Katie Holmes. O romance terminou, a peça de mobiliário tem garantida a eternidade.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...