Contadores de histórias: Um tapete mágico em Oeiras

De Bouche à Oreille et de Boca em Boca chega, pela segunda vez, a Portugal, vindo de Estrasburgo. De amanhã a domingo na vila

Já é paisagem habitual dos domingos no largo 5 de Outubro, em Oeiras. Às 11.30, pais e crianças reúnem-se em torno de um contador de histórias, à porta da livraria GATAfunho, do outro lado da igreja matriz. Ora escutam, atentos, ora riem-se e aplaudem. Em matéria de contadores de histórias, a vila de Oeiras tem, de facto, uma longa narrativa: há a biblioteca municipal, com as suas sessões, os domingos da GATAfunho, e, desde o ano passado, o Festival Internacional de Contadores de Histórias.

Na sua primeira edição em Portugal, este festival de Estrasburgo, De Bouche à Oreille et de Boca em Boca, teve, sessão após sessão, casa cheia. E este ano regressa. De amanhã a domingo, contadores de histórias levam o seu ofício à biblioteca municipal e à GATAfunho. A entrada é gratuita em ambos os espaços. O Mercado Municipal é o terceiro lugar onde decorre o festival. Pede-se à entrada uma contribuição monetária voluntária. Em torno dos três focos há uma exposição de marionetas, uma feira do livro infantil, gastronomia e artesanato. Quanto a eles, contadores, vêm do Equador, da Bélgica, ou da Madeira; trazem palavras e marionetas. Levam-nas a crianças, famílias e adultos, cada qual com direito a sessões próprias. O convite foi feito pelo festival de Estrasburgo - que vai na sua nona edição - há dois anos.

Dirigido a Rodolfo Castro, argentino a viver em Portugal, logo pôs a associação cultural Partilha Narrativa a mexer. Sediada na GATAfunho, é lá que trabalham Rodolfo - que atuará no festival - e a italiana Antonella Gilardi, ambos estrangeiros e contadores de histórias em português. A ajudá-los, a fundadora da livraria, Ana Paula Faria. Antonella, há "uns 20 anos a viver em Portugal", e com um longo currículo em escolas e bibliotecas, nota o caso raro que é esta vila: "Oeiras foi muito ativa em criar público e em criar contadores".

Uma das contadoras que Oeiras criou é Sofia Maul, que atua na quinta-feira, para adultos, e no domingo, para crianças. Recorda que em 2004 ficou "maravilhada" ao ouvir uma sessão de histórias. Decidiu fazer uma ação de formação. E, desde então, a madeirense com avós de origem inglês, alemão, sueco e californiano, não deixou de contar histórias. Membro do grupo Contabandistas, diz: "A maior parte [das histórias que conta] são tradicionais da Madeira ou de todo o mundo, alguns são contos de autor, outros são meus." Quanto à preparação para os espetáculos, diz planeá-los "matematicamente". Mas conta a primeira história e segue depois atrás do que o público quer. "Viramos o tapete mágico para onde o público quer ir." Com crianças ou adultos, a direção pode ser "mais encantatória, mais humorística...".

Antonella conta que o festival abre amanhã às 18.00 na GATAfunho, com todos os contadores reunidos. Estará lá Sophie Clerfayt, a belga que contará histórias em espanhol na quinta-feira; Matia Losego, italiano que vive em Portugal; Angela Arboleda, do Equador, que atua no sábado; e, entre outros, a dupla portuguesa Estupendo Inuendo, que Antonella descreve como "narrativa mais teatralizada". Como na última vez, o festival fecha com marionetas. É João Costa quem leva ao mercado O Barbeiro, do teatro tradicional D. Roberto.

Conheça o programa

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.

Premium

Crónica de Televisão

Cabeças voadoras

Já que perguntam: vários folclores locais do Sudeste Asiático incluem uma figura mitológica que é uma espécie de mistura entre bruxa, vampira e monstro, associada à magia negra e ao canibalismo. Segundo a valiosíssima Encyclopedia of Giants and Humanoids in Myth and Legend, de Theresa Bane, a criatura, conhecida como leák na Indonésia ou penanggalan na Malásia, pode assumir muitas formas - tigre, árvore, motocicleta, rato gigante, pássaro do tamanho de um cavalo -, mas a mais comum é a de uma cabeça separada do corpo, arrastando as tripas na sua esteira, voando pelo ar à procura de presas para se alimentar e rejuvenescer: crianças, adultos vulneráveis, mulheres em trabalho de parto. O sincretismo acidental entre velhos panteísmos, culto dos antepassados e resquícios de religião colonial costuma produzir os melhores folclores (passa-se o mesmo no Haiti). A figura da leák, num processo análogo ao que costuma coordenar os filmes de terror, combina sentimentalismo e pavor, convertendo a ideia de que os vivos precisam dos mortos na ideia de que os mortos precisam dos vivos.

Premium

Fernanda Câncio

O jornalismo como "insinuação" e "teoria da conspiração"

Insinuam, deixam antever, dizem saber mas, ao cabo e ao resto, não dizem o que sabem. (...) As notícias colam títulos com realidades, nomes com casos, numa quase word salad [salada de palavras], pensamentos desorganizados, pontas soltas, em que muito mais do que dizer se sugere, se dá a entender, no fundo, ao cabo e ao resto, que onde há fumo há fogo, que alguma coisa há, que umas realidades e outras estão todas conexas, que é tudo muito grave, que há muito dinheiro envolvido, que é mais do mesmo, que os políticos são corruptos, que os interesses estão todos conexos numa trama invisível e etc., etc., etc."

Premium

João Taborda da Gama

Aceleras

Uma mudança de casa para uma zona rodeada de radares fez que as multas por excesso de velocidade se fossem acumulando, umas atrás das outras, umas em cima das outras; o carro sempre o mesmo, o condutor, presumivelmente eu, dado à morte das sanções estradais. Diz o código, algures, fiquei a saber, que se pode escolher a carta ou o curso. Ou se entrega a carta, quarenta e cinco dias no meu caso, ou se faz um curso sobre velocidade, dois sábados, das nove às cinco, na Prevenção Rodoviária Portuguesa.

Premium

Catarina Carvalho

Querem saber como apoiar os media? Perguntem aos leitores

Não há nenhum negócio que possa funcionar sem que quem o consome lhe dê algum valor. Carros que não andam não são vendidos. Sapatos que deixam entrar água podem enganar os primeiros que os compram mas não terão futuro. Então, o que há de diferente com o jornalismo? Vale a pena perguntar, depois de uma semana em que, em Portugal, o Sindicato dos Jornalistas debateu o financiamento dos media, e, em Espanha, a Associação Internacional dos Editores (Wan-Ifra) debateu o negócio das subscrições eletrónicas.