Como Amy Pascal pôs de pé esta produção

The Post teve prioridade máxima em Hollywood. Amy Pascal impõe-se como a produtora de maior respeito no cinema americano

Um filme feito para se estrear o mais rapidamente possível. Cinema de emergência no coração do sistema das majors americanas. The Post, que já se chamou The Papers, foi rodado em julho e em novembro já estava pronto para ser lançado. Para Steven Spielberg era fundamental o filme chegar numa altura em que o poder na América se esquece da importância da liberdade da imprensa.

O exemplo de The Post, a saga dos jornalistas do The Washington Post que veicularam os Papéis do Pentágono, só faz sentido se for aplicado ao sabor da espuma destes dias. Uma época em que ainda nesta semana mostrou ao público como Donald Trump é capaz de expulsar a CNN da Casa Branca após uma pergunta incómoda.

The Post só poderia ser o pior pesadelo de Trump se se estreasse rapidamente e se houvesse um sistema de poder da Hollywood liberal a apostar tudo nele. Feito com um orçamento supostamente baixo - menos de 30 milhões de dólares - e com Meryl Streep e Tom Hanks a aceitarem baixar o salário, esta história de investigação jornalística teve a DreamWorks, a Fox e a Amblin a darem-lhe total exposição promocional, mas esta montagem de produção teve uma heroína, a produtora Amy Pascal, a antiga diretora da Sony Pictures. Foi ela quem conseguiu reunir todas as condições para Spielberg filmar em tempo recorde, a começar por juntar um elenco desta qualidade.

Terá sido também a habilidade de Pascal a negociar com a Warner a necessidade de Ready Player One: Jogador 1, filme de Spielberg já rodado, a passar para a temporada de 2018.

The Post é a nova coroa de glória de uma dama que soube ter um inimaginável comeback depois do caso que a afastou da Sony, o escândalo dos ciberataques. Agora, com a Pascal Pictures, utiliza a sua intuição feminina para dar vida a projetos como Jogo da Alta Roda, de Aaron Sorkin, e a muito esperada sequela de Millennium 1: Os Homens Que Odeiam as Mulheres, The Girl in The Spider"s Web, do prodigioso Fede Alvarez.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG