As cartas de Lobo Antunes chegam ao festival de Berlim

A longa-metragem Cartas da Guerra, do realizador Ivo M. Ferreira, feita a partir de cartas do escritor António Lobo Antunes, integra a competição oficial do festival de cinema de Berlim

O festival, que decorrerá em fevereiro, revelou hoje nove filmes que irão competir pelo Urso de Ouro e entre eles figura a longa-metragem de Ivo M. Ferreira, que é uma adaptação do livro D'este viver aqui neste papel descripto.

O livro, organizado por Maria José e Joana Lobo Antunes, reúne cartas de António Lobo Antunes, escritas no período em que serviu o exército português na guerra colonial.

"Longe de tudo que ama, escreve cartas à mulher à medida que se afunda num cenário de crescente violência. Enquanto percorre diversos aquartelamentos, apaixona-se por África e amadurece politicamente. A seu lado, uma geração desespera pelo regresso. Na incerteza dos acontecimentos de guerra, apenas as cartas o podem fazer sobreviver", escreve a produtora O Som e a Fúria.

No filme de Ivo M. Ferreira, que terá estreia mundial em Berlim, o ator Miguel Nunes interpretará a personagem de António e Margarida-Vila Nova será a mulher dele, Maria José. Do elenco fazem parte também Ricardo Pereira, João Pedro Vaz, Simão Cayatte e Isac Graça.

Cartas da guerra só estreará nos cinemas portugueses no segundo semestre deste ano.

Ivo M. Ferreira é autor das longas-metragens Águas mil (2009) e Em volta (2002).

"O homem da bicicleta" (1997), "O que foi" (1998), "Angola em cena" (2002), "Contadores do príncipe" (2002), "À procura de Sabino" (2003) e "Salto em barreira" (2004) são outros filmes do autor.

O Festival Internacional de Cinema de Berlim decorrerá de 11 a 21 de fevereiro e a programação completa será anunciada a 2 do mesmo mês.

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.