Brad Pitt, Leonardo DiCaprio e Charles Manson. O polémico novo filme de Tarantino

Once Upon a Time in Hollywood sai no dia dos 50 anos do assassinato de Sharon Tate e quatro outras pessoas por parte do clã Manson, em 1969

Duas das maiores estrelas de Holywood, Leonardo DiCaprio e Brad Pitt, irão juntar-se a Quentin Tarantino no novo filme do realizador, naquela que será a primeira vez que os dois atores entram no mesmo filme.

O filme Once Upon a Time in Hollywood (Era uma vez em Hollywood) irá retratar o ano de 1969, abordando, entre outros assuntos, crimes cometidos à data por Charles Manson e a sua seita, conhecida como "A família". Um dos crimes da seita que mais marcou a vida norte-americana foi o assassinato da atriz Sharon Tate, que estava grávida e era então mulher do realizador Roman Polanski. Além de Tate, mais quatro amigos da atriz foram mortos por elementos da "família" de Charles Manson.

"A história passa-se em Los Angeles, em 1969, no expoente máximo da Hollywood hippy. As duas personagens principais são Rick Dalton (Leonardo Di Caprio), uma antiga estrela de séries western de televisão, e o seu eterno duplo Cliff Booth (Brad Pitt). Os dois têm dificuldades numa Hollywood que já não reconhecem. Mas Rick tem uma vizinha muito famosa... Sharon Tate", afirmou a Sony Pictures num comunicado citado pela Reuters.

Já o realizador Quentin Tarantino disse também em comunicado que trabalhou no argumento cerca de cinco anos, acrescentando ainda o facto de ter vivido em Los Angeles a maior parte da sua vida, "incluindo 1969, quando tinha sete anos".

"Estou muito entusiasmado para contar a história de uma Los Angeles e uma Hollywood que já não existem. E não poderia estar mais feliz com a dinâmica da equipa DiCaprio e Pitt", frisou Tarantino.

Está previsto o filme sair a 9 de agosto de 2019, data que marca os 50 anos do assassinato de Sharon Tate e de outras quatro pessoas, numa produção bastante cara para a Sony Pictures.

No entanto, o Hollywood Reporter explica que as negociações com os atores não foram fáceis, com Leonardo DiCaprio a considerar abandonar o projeto em janeiro. Ambos os atores já trabalharam com o realizador, em filmes que alcançaram bastante sucesso, como "Django Unchained" (DiCaprio) e "Inglourious Basterds" (Pitt).

O projeto, dado o tema, tem atraído bastante controvérsia, que tem crescido ainda mais com as recentes polémicas em que Tarantino se tem visto envolvido. Além de denúncias de Uma Thurman relativamente ao comportamento do realizador durante as filmagens de "Kill Bill", veio novamente a público uma entrevista de Tarantino em que que defende Roman Polanski das acusações de violação que têm assombrado este realizador durante anos. A longa relação com Harvey Weinstei, acusado de vários casos de violência sexual, também não passou despercebida. "Sabia o suficiente para fazer mais do que fiz", disse Tarantino em outubro.

Charles Manson, que se encontrava a cumprir uma pena de prisão perpétua, morreu a 19 de novembro de 2017, com 83 anos.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG