Bono explica como se combate o Estado Islâmico: é preciso enviar humoristas

Chris Rock, Amy Shumer e Sacha Baron Cohen são a solução apresentada pelo músico num subcomissão do Senado americano. O líder dos U2 teve de reforçar que estava "a falar a sério"

Eis a solução de Bono para combater os terroristas do autoproclamado Estado Islâmico: "Eu sugiro que se envie Amy Schumer, Chris Rock, e Sacha Baron Cohen, obrigado." O vocalista dos U2 falava numa subcomissão do Senado americano, nesta terça-feira durante, dedicada à discussão acerca da situação no Médio Oriente e consequente crise dos refugiados.

"Não se riam. Acho que a comédia deve ser usada. Se usarem a violência, usam a linguagem deles." A alternativa de Bono: rirem-se deles. O músico lembrou ainda que "as primeiras pessoas que Adolf Hitler expulsou da Alemanha foram os dadaístas e os surrealistas."

O vocalista dos U2 - que teve de dizer que estava "a falar a sério" - apresentou-se ali nesta terça-feira a convite da senadora republicana Lindsey Graham, que preside àquela subcomissão e chegou a ser candidata presidencial às próximas eleições americanas.

"Na verdade, esta não é a primeira vez que eu oiço especialistas sobre como travar a violência extremista falarem sobre isso. É uma das coisas que estamos a contemplar", afirmou, em resposta às declarações de Bono, a senadora Jeanne Shaheen, democrata de New Hampshire.

Acerca da atual crise de refugiados, Bono, de 55 anos, afirmou: "A ajuda em 2016 não é caridade, é segurança nacional. Pode ser a nossa melhor defesa contra o extremismo violento."

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG