Aurea: "Quis sair da zona de conforto sem deixar de ser eu própria"

Quatro anos depois, a cantora está de regresso aos discos com o novo Restart, um trabalho que, como o próprio nome indica, marca um recomeço na carreira da artista

Foi com uma sonoridade soul clássica, inspirada em nomes como Otis Redding ou Aretha Franklin, que se deu a conhecer e se tornou uma das maiores estrelas da música nacional. Agora, quatro anos depois do último registo de originais, Soul Notes, decidiu sair da sua zona de conforto para se reinventar. Rumou até Las Vegas, nos Estados Unidos, onde trabalhou com a lendária baterista Cindy Blackman e o não menos consagrado baixista Jack Daley, secção rítmica de gente como Lenny Kravitz ou Joss Stone, que assinaram também a produção de Restart, um disco mais assumidamente pop - sem perder a "alma" de sempre.

Este Restart é mesmo um recomeço?

É, sem dúvida. Foram quatro anos sem editar nada, houve muita coisa que aconteceu nesse período, a nível profissional e pessoal. Muitos capítulos, como digo nos agradecimentos deste disco, que se encerraram e outros que se iniciaram. E é por tudo isso que olho para este novo disco e sinto que estou a começar tudo do zero, outra vez.

O que a levou a isso? Porque é que sentiu essa necessidade de cortar com o passado?

Não é propriamente um corte, penso é que a própria vida me levou a isso. Tive mesmo essa necessidade, porque a determinada altura fui obrigada a parar. As coisas menos boas ficaram para trás e o que interessa é avançar e pensar no futuro. Mas, como se costuma dizer, há males que vêm por bem e, de certa forma, estes quatro anos foram muito importantes para respirar e procurar novos caminhos. Queria fazer coisas diferentes, com pessoas diferentes.

Sentia-se presa, era isso?

Não, porque todos os meus trabalhos anteriores, que adoro, fazem sentido no seu tempo. Mas todos sentimos necessidade de avançar para não nos viciarmos na rotina. E foi daí que surgiu esta vontade de encontrar uma sonoridade diferente.

Daí também a escolha da Cindy Blackman, para produzir o disco?

Sim, sem dúvida. Já conhecia o trabalho dela com o Lenny Kravitz e com a Joss Stone.

Como é que ela surge neste processo?

Cheguei a ela através do meu manager, João Pedro Ruela, que já a conhecia e me sugeriu o nome dela. Pesquisei um pouco e fiquei encantada com o trabalho dela. Falámos com ela, enviámos-lhe o disco e ficou logo interessada em trabalhar connosco. Na altura a Cindy estava muito ocupada com a digressão do Lenny Kravitz e para além disso tem também um projeto a solo, mas mesmo assim conseguiu encaixar ali algum tempo para trabalharmos.

E como foi depois o trabalho com ela?

Foi ótimo. Fui para Las Vegas, onde fiquei num hotel que tinha o estúdio por baixo, portanto era só levantar-me, tomar o pequeno-almoço e começar logo a trabalhar. Conheci muito pouco de Las Vegas [risos], mas só o facto de estar ali, a trabalhar naquele ambiente, foi muito especial. Mal cheguei já estava tudo preparado para começarmos a gravar. Quanto à Cindy, só posso dizer que é uma pessoa maravilhosa, para além de uma grande baterista, supervirtuosa e criativa. E também tive muita sorte com os músicos que me calharam, todos eles habituados a trabalhar com os melhores, como o Jack Daley, que para além de tocar baixo ainda participou na produção do disco. Foi uma experiência bastante enriquecedora, aprendi muito. Até a forma como gravámos foi diferente, com todos os músicos a tocarem ao mesmo tempo, como se fazia antigamente. E tudo isso se sente no disco, que acaba por ter um som mais orgânico, quase ao vivo, como se fosse um concerto.

Sentem-se também algumas mudanças no estilo musical, que vai agora muito para além da soul clássica dos discos anteriores. Como foi o processo de composição? Este é também o primeiro trabalho em que assume as funções de compositora, correto?

Sim, há mesmo um tema, o Too Old Too Soon, no qual compus a parte musical e também escrevi a letra, em parceria com o Guilherme Marinho e o Rui Ribeiro. Juntámo-nos os três, fizemos tudo de início, com eles a perguntarem-me o que estava a sentir e o que queria dizer. Foi um processo criativo muito interessante, que me abriu o apetite para o voltar a fazer mais vezes no futuro. É um disco que tem uma sonoridade um bocado diferente, reconheço, no qual a presença do Rui faz um pouco a ligação com os discos anteriores.

É diferente para si, enquanto intérprete, cantar aquilo que se sente e escreve, como acontece no Too Old Too Soon?

É e eu não tinha noção disso, apesar de já me dizerem há muito tempo para escrever e compor. Dizia sempre que não, porque nunca me vi como compositora e o Rui faz esse trabalho muito bem. Mas acabou por ser ele a mudar tudo, quando, logo no início, me disse que o processo de composição deste disco ia ser diferente. Ele tinha os instrumentais já preparados, mas ao contrário do habitual não tinha as melodias de voz e pediu-me para ser eu a criá-las. Fiquei em pânico, mas consegui fazê-lo e só depois disso foram escritas as letras. Mas com o Too Old To Soon percebi que quando as coisas nos saem diretamente do coração para o papel é completamente diferente. Porque é na primeira pessoa e isso torna tudo diferente.

Não tem receio de que esta mudança possa causar estranheza aos fãs?

Claro que sim. Será que vão gostar? Por outro lado, acredito que eles também o desejavam. Há muito que sentia que o público queria algo mais fresco. Quis sair da zona de conforto para fazer algo novo, mas sem deixar de ser eu própria.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Adelino Amaro da Costa e a moderação

Nunca me vi como especial cultor da moderação em política, talvez porque tivesse crescido para ela em tempos de moderação, uma espécie de dado adquirido que não distingue ninguém. Cheguei mesmo a ser acusado do contrário, pela forma enfática como fui dando conta das minhas ideias, tantas vezes mais liberais do que a norma, ou ainda pelo meu especial gosto em contextualizar a minha ação política e governativa numa luta pela liberdade.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.

Premium

Crónica de Televisão

Cabeças voadoras

Já que perguntam: vários folclores locais do Sudeste Asiático incluem uma figura mitológica que é uma espécie de mistura entre bruxa, vampira e monstro, associada à magia negra e ao canibalismo. Segundo a valiosíssima Encyclopedia of Giants and Humanoids in Myth and Legend, de Theresa Bane, a criatura, conhecida como leák na Indonésia ou penanggalan na Malásia, pode assumir muitas formas - tigre, árvore, motocicleta, rato gigante, pássaro do tamanho de um cavalo -, mas a mais comum é a de uma cabeça separada do corpo, arrastando as tripas na sua esteira, voando pelo ar à procura de presas para se alimentar e rejuvenescer: crianças, adultos vulneráveis, mulheres em trabalho de parto. O sincretismo acidental entre velhos panteísmos, culto dos antepassados e resquícios de religião colonial costuma produzir os melhores folclores (passa-se o mesmo no Haiti). A figura da leák, num processo análogo ao que costuma coordenar os filmes de terror, combina sentimentalismo e pavor, convertendo a ideia de que os vivos precisam dos mortos na ideia de que os mortos precisam dos vivos.