Um passeio pelos 50 anos de arquitetura de Rafael Moneo

Prémio Pritzker da arquitetura e único espanhol a receber este prémio, Rafael Moneo inaugura hoje, na Garagem Sul, Centro Cultural de Belém, em Lisboa, a retrospetiva "Rafael Moneo:Uma reflexão teórica a partir da profissão - materiais de arquivo (1961-2013)", uma revisão de 50 anos de trabalho, com muito de "biográfico e pessoal", como conta ao DN.

"A arquitetura é o o resultado do esforço de muitas pessoas, é muito mediatizado, a presença do arquiteto dilui-se. Ele perde sempre a batalha", introduz. "Aqui tenta-se que a atmosfera do edifício esteja presente". Eque a presença do autor se manifeste.

A exposição tem "algo de muito biográfico e pessoal", admite. "Veja o projeto dos laboratórios da Universidade de Columbia, em Nova Iorque, que foi uma coisa tão grande e que me agradou tanto. Agradou-me muito ter conseguido fazer um edifício numa cidade a que estive tão ligado", conta, em entrevista ao DN. E, diz, na visita à imprensa, ontem, entre desenhos, fotos e maquetes, como o projeto do Museu de Arte Romana, em Mérida, inaugurado em 1986 (mas projetado anos antes), marcou um antes e depois no seu trajeto profissional.

A exposição estará na Garagem Sul até 23 de novembro e nasceu na Fundação Barrié, em Santiago Compostela, onde foi mostrada entre outubro de 2013 e março deste ano. Lisboa é o seu primeiro destino internacional.

O arquiteto inaugura a exposição hoje, às 19.00, e dá uma conferência no Grande Auditório, às 21.00. A entrada é livre.

Leia mais na edição impressa e no e-paper do DN.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG