ENTREVISTA: "Encontrei no graffiti a minha identidade"

André Saraiva nasceu na Suécia onde os pais eram exilados políticos. Cresceu em Paris e descobriu no graffiti a sua maneira de se expressar. Diz que "artista" é uma palavra demasiado grande mas que sempre soube que queria "contar histórias através do desenho".

- Por que razão começou a fazer graffiti?

- Não sei responder. Foi uma nova expressão, encontrei nela a minha identidade, uma liberdade e uma maneira de mostrar o meu nome. De fazer parte da cidade. Sempre soube que gostava de desenhar e que gostava de contar histórias pelo desenho. Artista é palavra pesada mas sempre soube que era isto que queria fazer.

André Saraiva começou a fazer graffiti em meados dos anos 80, com 13, 14 anos nas ruas de Paris, a cidade onde vivia então, com outros jovens da mesma idade, precursores deste movimento de street art, como Invader ou Zevs. Na exposição no MUDE mostra a primeira multa que recebeu por pintar espaços públicos. Achou-a curiosa e quis mostrá-la.]

- É português, mas nasceu na Suécia em 1971. Cresceu em Paris, vive em Nova Iorque. Qual é a sua história?

- A minha mãe é dos Açores, o meu pai de Vila Nova de Famalicão. Conheceram-se em Coimbra. Fugiram do Salazar. Eram refugiados políticos na Suécia. Fui criado pela minha mãe. Mudei para França no início dos anos 80 e passei a adolescência em Paris. Nova Iorque é a minha base agora. É preciso saber viver assim. Pode existir discriminação. Sou um cigano.

[A exposição encerra com um conjunto de vitrinas que exibem objetos pessoais e de referência assim como diversas colaborações de André Saraiva com marcas de luxo. "O Estrangeiro", de Albert Camus, é um dos livros. "Sou assim, sempre um pouco estrangeiro em todas as partes", diz.]

- Quando estava a fazer a visita guiada à sua exposição apontou para uma porta [negra com ombreiras rosa], semelhante à de um clube noturno, e disse que os seus clubes [Club Baron] são parte do seu trabalho.

- Keith Haring fez a sua Pop Shop só com objetos e t-shirts com a sua obra. Gordon Matta-Clark foi o primeiro a mostrar o graffiti. Cortou-o e mostrou-o como obra de arte. Abriu um restaurante chamado Food, em Nova Iorque, onde trabalhavam artistas. Eram parte do trabalho como os meus clubes. Vejo-os sempre como parte do meu trabalho, mesmo que funcionem como sítios comerciais. No Beatrice Inn, em Nova Iorque, convidámos artistas para trabalhar no sítio, fazer o menu, pôr música, servir copos. Nos meus sítios os artistas não pagam.

- Usa muito o cor de rosa no seu trabalho. Como é que surgiu?

- Não era uma cor muito popular entre quem fazia graffitti. Estava relacionado com ser gay o que não estava, não está, muito bem visto entre os graffiters. Pensei "fuck you guys", vou usar. É uma cor alegre.

- Vai fazer um painel em azulejo, com símbolos de Lisboa, para a cidade de Lisboa. Por que razão escolheu símbolos como o elevador de Santa Justa ou o poema de Fernando Pessoa.

- Tem a ver com as minhas memórias e com os meus sonhos. É pintura pública e um desenho muito metafísico da cidade, da minha visão, com alguns símbolos que uso no meu trabalho. O nome da minha filha [Henrietta, fruto da relação com a música Uffie], o clube [Baron], o elevador que é de um francês, o Lux. Na verdade, o Frágil inspirou-me a fazer os meus clubes [em Paris, Nova Iorque e Tóquio]. É uma pintura sobre a minha relação com Lisboa e as pessoas portuguesas. E a nossa capacidade de nos adaptarmos. Temos uma boa maneira de nos adaptarmos... Eu... a dizer que nós temos uma boa maneira de nos adaptarmos [risos].

[O painel é uma colaboração do MUDE e de André Saraiva com a câmara municipal de Lisboa e a empresa Prébuild, que detém desde 2012 a centenária Fábrica de Cerâmica da Viúva Lamego, de onde sairão os azulejos para o painel que o artista está a preparar e que deverá estar pronto no primeiro semestre de 2015. "Antes da exposição acabar, a 28 de setembro, já queremos mostrar uma parte", adianta a diretora do MUDE, Bárbara Coutinho sobre o trabalho que está a ser feito. Terá mais de ].

- Porquê em azulejo?

- Há 15 anos que quero trabalhar com azulejo, mas é muito caro. Temos muita sorte nesta colaboração. É ótimo fazer uma coisa que pode durar 10 ou 100 anos.

- Conhece graffitters portugueses?

- Conheço o trabalho de alguns. O que tem a exposição agora [Vhils, no Museu da Eletricidade] é amigo de uns amigos. Vi um mural dele em Los Angeles. Conheço mais brasileiros, eles eram mais ativos, sou amigo dos Gémeos.

- Ainda sai à noite para fazer graffitti?

- Às vezes (sorriso).

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.