"A Perna Esquerda de Tchaikovski" regressa ao palco

O espetáculo "A Perna Esquerda de Tchaikovski", com texto e encenação de Tiago Rodrigues, música de Mário Laginha e interpretação de Barbora Hruskova, bailarina da Companhia Nacional de Bailado, regressa na quinta-feira ao Teatro Camões, em Lisboa.

Estreado em fevereiro de 2015, o espetáculo parte da memória do corpo da bailarina Barbora Hruskova e das marcas que a vida profissional deixaram no seu corpo.

Tiago Rodrigues, dramaturgo, produtor e encenador revisita a carreira da bailarina Barbora Hruskova - que fala e dança em palco, acompanhada por Mário Laginha ao piano - e as marcas que a carreira profissional traçaram no seu corpo.

"A Perna Esquerda de Tchaikovski" vai estar no palco do Teatro Camões até 02 de abril e segue depois em viagem pelo país dentro da digressão nacional 2017 da Companhia Nacional de Bailado (CNB).

Em 2014, a CNB fez uma homenagem a Barbora Hruskova, bailarina principal da companhia, que terminou a carreira nesse ano e fez a despedida com o bailado "Giselle".

De nacionalidade francesa, Barbora Hruskova ingressou na CNB em 2003 como primeira bailarina, após ter passado pela Companhia de Bailado de São Francisco, nos Estados Unidos, e pelo Ballet Real da Flandres, na Bélgica.

Em Portugal dançou praticamente todo o repertório da CNB, dos clássicos como "O Lago dos Cisnes", "D. Quixote" ou "Romeu e Julieta", a peças de Nacho Duato, Jirí Kylián, Vasco Wellenkamp, Olga Roriz, Rui Lopes Graça ou Clara Andermatt, entre outros.

O ensaio geral solidário realiza-se na quarta-feira e o resultado da bilheteira reverte a favor da Fundação Gonçalo da Silveira, APSI -- Associação para a Promoção da Segurança Infantil, Comunidade Vida e Paz, e a Crevide Apoiar e Ensinar.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.