A nova Lisboa de Pessoa (com um GNR penetra)

É uma exposição e um livro. 'Lisboa o que o Turista Deve Ver' com desenhos de Mário Linhares

O primeiro desenho? Mário Linhares ri-se. Sabe a data de cor. Foi no dia em que nasceu o filho. "Fui às visitas no [hospital] São Francisco Xavier mas... as visitas acabaram. Já tinha o projeto aprovado pelo editor e pensei: e se começasse hoje?". Seguiu para Belém e desenhou a estátua de Afonso de Albuquerque. 17 de agosto de 2014. O Matias já fez um ano, o tempo que o pai se demorou a desenhar a Lisboa que Fernando Pessoa quis mostrar aos turistas em 1925 em Lisboa o que o Turista Deve ver.

Fez cem desenhos da cidade. Uma cidade a que os viajantes do tempo de Pessoa chegam por mar : "parece à distância, uma visão fantasmática de um sonho, recortada por um cristalino céu azul que o Sol abençoa com a sua aura", escreveu o poeta. "Pessoa fez um guia para turistas. Ele tinha visitando várias cidades da Europa e não percebia porque é que Lisboa sendo tão ou mais bonita não era referenciada", conta Mário Linhares. Professor de design, 35 anos, é o diretor internacional para a educação dos Urban Sketchers internacional. Já desenhara muito Lisboa mas, ainda assim, descobriu uma nova cidade: "Eu não conhecia esta Lisboa que ele descreve. Podemos pensar que este guia tem cem anos e está datado. Mas não está. Continua atual."

Seguiu em busca dos lugares que contam as palavras de Pessoa e foi nelas que pôs o foco. Por exemplo, na vista do Miradouro da Senhora do Monte espraia-se numa panorâmica, que ocupa duas páginas do livro. Mário definiu o casario que desce do castelo ("a mole irregular e multicolor de casas"), a outra banda, o Cristo Rei, deixou um buraco branco no Martim Moniz e nos locais fora do foco desta vista. Sem pudores: "O desenho tem esta possibilidade de escolhermos o que entra e o que não entra. Nós podemos não desenhar o que não interessa. Aqui interessava sobretudo a linha do horizonte da linha do Tejo e da outra banda, o castelo e este multicolorido das casas de Lisboa".

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG