A mitologia da história em teatro com jantar no Convento de Cristo

Visita em Viagem é a peça encenada por João Mota que conta com 50 músicos/atores.

O Convento de Cristo, em Tomar, recebe no sábado um espetáculo que, ao mesmo tempo, é uma visita guiada ao monumento, com jantar na passagem pelo refeitório, numa encenação de João Mota com produção da associação Canto Firme.

O maestro António Corvelo de Sousa, da associação Canto Firme, disse à agência Lusa que o espetáculo "Visita em Viagem" parte de textos antigos que servem de alegorias ao tempo presente.

Espetáculo multidisciplinar de teatro e música, a peça, concebida para grupos de 80 pessoas, envolve mais de 50 músicos e coralistas/atores da Canto Firme, que, encenados por João Mota, levam os espetadores numa "vertiginosa expedição à mitologia simbólica da História de Portugal".

"Os textos são excertos literários, recolhidos entre algumas pérolas da poesia e do teatro português, também eles compostos numa longa jornada que arranca o viajante da Idade Média e o transporta à Idade Contemporânea", segundo a sinopse do espetáculo.

Corvelo de Sousa disse à Lusa que o espetáculo retoma a ideia da "Viagem" encenada em 1996 também por João Mota, envolvendo na altura atores da Comuna e músicos da Canto Firme, e que foi pioneiro na escolha do Convento de Cristo como "palco" de uma peça que se movimentava pelos vários espaços do monumento.

Em "Visita em Viagem" um mordomo conduz o "cortejo" por um itinerário com episódios que vão da "tragédia de Alcácer Quibir" à "arrebatada paixão de Pedro e Inês", até uma outra viagem, de natureza gastronómica, onde o público é convidado a "atuar como comensal" e a participar na ceia "e nas peripécias e tumultos engendrados e figurados pelos intérpretes, antes de regressar ao trajeto".

Entre os autores dos textos escolhidos estão D. Dinis, Gil Vicente, Luís de Camões, António Ferreira, Hermano Saraiva, Abel Neves, Hélder Costa, Joaquim Nunes, António Torrado, Sofia de Melo Breyner, Natália Correia e Fernando Pessoa.

A música combina obras portuguesas da Idade Média ao século XVII, com algumas "joias poéticas da literatura portuguesa" postas em música coral por António Corvelo de Sousa, que as compôs propositadamente para este espetáculo.

Os atores, instrumentistas, cantores e coralistas são elementos do Coro e Conservatório de Artes Canto Firme, que também assegurou a produção, realização e promoção do espetáculo, bem como a preparação, a confeção e o serviço da ceia, adiantou.

O espetáculo segue-se à experiência feita o verão passado durante a Festa dos Tabuleiros, com a peça, toda em verso, de António Torrado, "A afilhada de Santo António", que Corvelo de Sousa musicou a pedido de João Mota e foi cantado, numa "operazinha", pelos coralistas da Canto Firme.

"Depois desse trabalho ficaram entusiasmados e este é mais um passo", disse o maestro à Lusa.

Além de marcar o regresso do encenador João Mota ao Convento de Cristo, o espetáculo assinala também o retorno do Coro Canto Firme à realização de atividades regulares neste monumento classificado pela Unesco como Património da Humanidade, acrescentou.

Estão agendados espetáculos para o próximo sábado e para os dias 07 de maio, 25 de junho e 21,22,23,28,29 e 30 de julho, sempre com início às 19:00, podendo os bilhetes, que custam 25 euros (com jantar incluído), ser adquiridos na sede da Canto Firme ou, mediante reserva, uma hora antes do espetáculo à entrada do Convento de Cristo.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.