'A Bela Adormecida' sobe ao palco do São Carlos

A Companhia Nacional de Bailado e a Orquestra Sinfónica Portuguesa levam a partir de amanhã a Lisboa o espetáculo que, entre os dias 17 e 20, recebe o bailarino Marcelino Sambé

O clássico de bailado A Bela Adormecida, com coreografia de Marius Petipa, vai estar no palco do Teatro Nacional São Carlos, em Lisboa, pela Companhia Nacional de Bailado (CNB), com a Orquestra Sinfónica Portuguesa. Esta quarta-feira haverá um ensaio solidário já esgotado.

Com começo de exibição oficial amanhã, quinta-feira, o bailado fica em cartaz até ao próximo dia 20 e o bailarino português Marcelino Sambé, solista do Royal Ballet, de Londres, é o artista convidado, nos dias 17, 18, 19 e 20 de dezembro.

Leia aqui a grande entrevista da Notícias Magazine a Sambé

O espetáculo tem versão e coreografia adicional de Ted Brandsen, música de Piotr Illitch Tchaikovski e argumento de Charles Perrault, com cenografia e figurinos de António Lagarto e desenhos de luz de Paulo Graça.

No Teatro Nacional de São Carlos estará a Orquestra Sinfónica Portuguesa, dirigida pelo maestro Pedro Carneiro.

O texto mais conhecido da história de A Bela Adormecida é o dos irmãos Grimm, publicado em 1812, que tem como base a versão de 1697, do escritor francês Charles Perrault, retirada do livro Contos da Mãe Ganso.

Por sua vez, o escritor francês terá recolhido o mote a um conto do italiano Giambattista Basile.

Foi em janeiro de 1890, no Teatro Marynsky de São Petersburgo, que se estreou a primeira versão para bailado de "A Bela Adormecida", encomendada ao compositor Tchaikovsky, com coreografia de Petipa.

Tchaikovsky respeitou o argumento de Charles Perrault, inspirado num conto de fadas criado a partir de uma série de conspirações que envolvem fadas e sortilégios.

Em Portugal, a estreia absoluta, na versão da CNB, deu-se no Porto, no Rivoli Teatro Municipal, a 11 de março de 1998.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.