Leonardo da Vinci: uma visão humanista na Europa do Renascimento

Tenho, evidentemente, uma profunda admiração por Leonardo da Vinci, esse espírito universal que não colocava barreiras entre as artes e as ciências e que deixou à humanidade obras excecionais tanto como pintor, escultor, desenhador ou engenheiro, inventor ou cientista. Na passagem do século XV para o século XVI, ele encarna o Humanismo e o Renascimento na Europa, com os seus avanços no domínio artístico mas também na investigação científica.

Tenho uma particular paixão pelos seus inúmeros desenhos de máquinas! Os desenhos, que se encontram nomeadamente no Codex Atlanticus, tais como o escafandro, o barco de pás, a bomba hidráulica, o carro de assalto, o rolamento de esferas,
o helicóptero, a asa articulada, o tear mecânico automático, o paraquedas, são extraordinários e visionários!

Em França, haverá muitos eventos por ocasião dos 500 anos da sua morte. Está programada uma grande retrospetiva para o outono, no Louvre, e uma exposição, A Utopia na Obra, mostrará, em Chambord, a implicação de Leonardo da Vinci nos mapas de origem deste castelo real. Mas recomendo, também, a visita ao Castelo do Clos Lucé (em Amboise, no centro da região dos castelos de Loire), restaurado há pouco tempo. Foi aí que Leonardo da Vinci, que havia sido convidado pelo rei Francisco I, viveu e trabalhou nos últimos três anos de vida. Numa grande sala encontram-se reunidas várias maquetas de diferentes máquinas imaginadas por Leonardo.

Embaixador da França em Portugal

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.