O imperador que deu nome ao mês de agosto

O oitavo mês do calendário, que já foi o sexto, honra o imperador romano César Augusto. E até ganhou um dia a mais para ficar igual ao dedicado a Júlio César, julho.

Do latim augustus, agosto é o oitavo mês do calendário. E é assim chamado em honra ao imperador romano César Augusto, que governou Roma entre 27 a.C. e 14 d.C. Agosto chamava-se sextilis por ser o sexto mês do ano. Confuso? Sim, era a confusão geral com a organização do calendário e com existência de meses intercalares e dias que sobravam na contabilidade do tempo.

Até que por volta de 46 a.C. o antecessor de Augusto, Júlio César, organizou o calendário, alinhando-o com as estações do ano. Estipulou o ano dividido em 12 meses, terminando com o sistema de meses intercalares, e criou os anos bissextos para os dias que sobram. Só que estes começaram a ser contados de três em três anos, "o que gerou uma grande confusão", diz Mafalda Lopes da Costa, professora da Universidade Lusófona na área de línguas e literaturas modernas. "Depois de Júlio César, o imperador César Augusto faz então uma alteração ao calendário para que os anos bissextos fossem contados de quatro em quatro."

E se Júlio César mudou o nome do mês de quintilis (que passou a ser julho, em sua honra). César Augusto não lhe quis ficar atrás. "Este pede ao senado um mês em sua honra e escolhe o mês sextilis, logo a seguir ao mês de Júlio César, que passa a ser Augusto. E daí hoje termos agosto."

E há ainda outra curiosidade: "O mês sextilis [Augusto] não tinha 31 dias, como quintilis [julho]. Para não ofender César Augusto, tirou-se um dia a fevereiro para que tanto julho como agosto tivessem o mesmo número de dias e, com isso, nenhum dos imperadores, a quem os meses são dedicados, tivesse mais dias do que o outro."

Com este acerto de César Augusto, o seu nome passa a fazer parte do calendário juliano e passa a vingar em todos os territórios conquistados pelo Império Romano.

Até chegarmos à atualidade há ainda uma mudança. Em 1578 o Papa Gregório XIII reuniu um grupo de especialistas para corrigir o calendário juliano. O objetivo foi fazer regressar o equinócio da primavera para o dia 20 de março e desfazer um erro de dez dias que existia. Assim corrigindo a data do equinócio da primavera do hemisfério norte para a data de 20 de março de 1583.

Ainda hoje é esse o calendário, chamado gregoriano, pelo qual o planeta se rege. Mesmo que no calendário judaico, hoje sábado dia 3 de agosto seja o mês de ab do ano de 5779 ou que no calendário islâmico estejamos no mês dhu l-hijja do ano 1440, o mundo, por motivos de organização financeira e económica, rege-se pelo calendário em que o oitavo mês é o mês de César Augusto.

Exclusivos