A história de Francisco Grandella: maçon, boémio e visionário

Começou com as Fazendas Baratas e, 28 anos depois, tinha um império comercial e industrial. Quem foi Francisco de Almeida Grandella, o dono dos grandes armazéns onde teve início o incêndio do Chiado

Em setembro de 1911, quando João Chagas chefiava há poucos dias o governo (e poucos dias se manteve na função, até novembro, inaugurando assim o longo desfile de executivos que marcharam na I República), Francisco de Almeida Grandella encontrou a solução para erradicar a mendicidade em Lisboa.

Republicano iniciado na maçonaria no ano anterior, meses antes da revolução, e filiado na Loja José Estêvão sob o nome de "Pilatos", fora eleito vereador da câmara municipal nas eleições de 1908, quando o Partido Republicano Português (PRP) arrebatou nove mil votos e nove vereadores.

Grandella, que era já um comerciante e industrial abastado, proprietário dos famosos Armazéns, compareceu poucas vezes às sessões camarárias, alegando quase sempre "motivos de saúde" e sendo recorrentemente substituído por José Nunes Loureiro. A inclusão na lista de candidatos do PRP de um homem que não tinha qualquer experiência política anterior servia um propósito: granjear mais votos para o partido. Grandella era sobejamente conhecido em Lisboa e fora dela, empregava centenas de funcionários nos Armazéns e outros tantos nas fábricas em São Domingos de Benfica; tinha a fama de ser muito trabalhador e de ter subido a pulso.

Em maio de 1912, Grandella resignou ao mandato. Mas nas poucas sessões em que esteve presente, demonstrou sempre o seu espírito inventivo - algo, aliás, que traduzia nos anúncios dos Armazéns publicados na imprensa, quase sempre idealizados por si.

Varrer os pobres das ruas da cidade foi uma dessas ideias criativas, apresentada na reunião de 14 de setembro. O jornal A Capital - Diário republicano da noite noticiou que ele propunha ajudar os mendigos recorrendo aos "ricos" e às "heranças". E não publicou nada mais, faltando enumerar as soluções. Agastado com a turba de pedintes que acorriam aos estrangeiros que desembarcavam dos paquetes ou povoavam as esplanadas da Baixa, Grandella defendeu a criação de um imposto aos indigentes e a publicação de um decreto que atribuísse ao Estado o direito de retirar a tutela dos filhos àqueles que se dedicassem à mendicidade. Mais: essas crianças seriam deportadas para uma das colónias para trabalhar na lavoura. Por fim, os "ricos" e o dinheiro das "heranças", prosseguiu, poderiam acudir aos verdadeiramente pobres, desconhecendo-se os critérios de distinção entre estes e os falsos pobres. A vereação republicana apreciou as propostas e a câmara remeteu as mesmas para o governo.

Já no mês anterior, na sessão de 31 de agosto, tinha proposto a constituição de uma espécie de milícias de vigilância, simpaticamente designadas de "Os Amigos da Cidade", cuja função era "evitar vandalismos e outros atos menos corretos" dos residentes, denunciar os "desmazelos" e "zelar pelos estrangeiros". E por mais de uma vez tentou convencer o executivo a atentar na limpeza das ruas: defendeu uma campanha publicitária nos jornais para que os habitantes não lançassem papéis e objetos vários para a via pública; e pediu a colocação de "três sacos de arame", vulgo caixotes do lixo, na Avenida da Liberdade, "a fim de não se encontrar enxovalhada aquela via pública".

Das Fazendas Baratas aos Armazéns

Não foram, porém, os quatro anos de vereação na Câmara de Lisboa que converteram Grandella num nome incontornável na história da cidade. Pioneiro na venda a retalho, transformou o comércio lisboeta e nacional, deu proteção social e assistência médica aos seus empregados, construiu fábricas e um bairro operário para os trabalhadores, aos quais cobrava rendas baixas, criou uma Caixa Previdente do Futuro em 1883, instituiu nas suas lojas um dia de descanso semanal (domingo) e anualmente pagava uma semana de férias aos seus funcionários. Raul Brandão recordou-o no seu terceiro volume de memórias, Vale de Josafat: "Autoritário e severo, só assim conseguiu levar a cabo aquela monstruosa loja onde há de tudo, desde a literatura ao farrapo, enriquecendo extraordinariamente."

Foi também um filantropo, destacando-se o seu apoio financeiro para a construção de escolas (todas dotadas de símbolos maçónicos, com o frontão triangular sustentado em colunas) e uma creche para os filhos dos operários.

Grandella viveu alguns dos momentos mais importantes do último quartel do século XIX e do primeiro do século XX - a Regeneração, o Fontismo, o Ultimato, a revolta republicana no Porto, o regicídio, a instauração da República, a I Guerra Mundial, o golpe de 1926, a ditadura militar, a chegada de Salazar ao governo e a Constituição de 1933 - foi súbdito de quatro reis e de um sortido de governos republicanos.

Quinto de oito filhos de Matilde Libânia e Francisco Maria Grandella, o único médico de Aveiras de Cima, com uma veia literária para a escrita de thrillers em folhetins publicados no Diário Ilustrado, Francisco nasceu a 23 de junho de 1853 e aos 11 anos estava a caminho de Lisboa, acompanhado por uma prima Miquelina que vivia na Calçada da Pampulha, para trabalhar como marçano numa loja na Rua dos Fanqueiros. Sabia ler e escrever, completara a instrução primária, e ali ficou três anos. O trespasse da loja e a recusa do novo proprietário em promover o rapaz a caixeiro levaram o pai a mandá-lo regressar a casa.

Em Aveiras de Cima, Francisco aprendeu francês e julgava estar definitivamente afastado da vida comercial, contou anos mais tarde num livrinho titulado O Assalto, editado pelos Armazéns Grandella para refutar publicamente as acusações feitas por três dos seus cinco filhos, que, em 1924, pediram em tribunal que o pai fosse considerado incapaz de gerir o seu património. O Assalto é também uma compilação de memórias que vão desde a descrição da construção do império Grandella até à paixoneta por uma galega que só tomava banho em bacias de prata.

Em 1870 estava de regresso a Lisboa e à Rua dos Fanqueiros, desta vez para o estabelecimento de José Gomes de Carvalho, um homem que parava pouco na loja mas muito na taberna da qual era sócio, e que promoveu Francisco a primeiro-caixeiro. Quatro anos depois, novo emprego, agora num comércio da Rua da Prata, onde permaneceu oito ou nove anos e do qual saiu depois ter dado um par de bofetões ao marçano - não seria inédito, mas neste caso o marçano era familiar da mulher do patrão. Francisco entregou uma carta de despedimento e só ao fim de sete dias sem resposta percebeu que estava mesmo no olho da rua. Ainda não sabia, mas apresentava-se assim a oportunidade que lhe faltava para se estabelecer por conta própria.

Com a ajuda financeira de um amigo, comprou o trespasse de uma loja na Rua da Prata. Chamou o seu irmão Luís para trabalhar com ele, mandou imprimir cartões-de-visita com o nome Grandella & C.ª e deu o apelativo nome de Fazendas Baratas ao estabelecimento. Foi nesta altura que lançou uma técnica revolucionária: a venda por correspondência. Enviou amostras de fazendas para a província e começaram a chover encomendas. (Mais tarde, publica catálogos que remete para o país, ilhas e colónias.)

Quando se sentiu "tocado pela ambição", comprou o trespasse de uma loja de fazendas e linhos a um judeu, Benjamim Aflalo, estabelecido no Rossio, batizando-a de Loja do Povo. Publicou anúncios nos jornais, mas precisava de algo mais espaventoso. Contratou um "criado-reclamo", vestiu-o de soldado inglês, com a farda vermelha, e postou-o à entrada da loja. Resultado: atraiu dezenas de crianças ao local, que não se cansavam de troçar do manequim vivo. Mas atraiu também muitos fregueses. Tantos que teve de abrir outra loja, O Novo Mundo, na Rua do Ouro.

Nesta altura, Grandella era já o proprietário do Teatro Novo da Rua dos Condes (hoje Hard Rock Café), que mandara reconstruir. Tinha uma "das mais elegantes e confortáveis" salas de espetáculos da cidade, lia-se no DN de 24.12.1888. Um monólogo do ator Taborda e uma opereta fizeram a festa da inauguração. Para as salas subterrâneas do teatro mudou-se o Clube dos Makavenkos, um grupo de boémios, do qual Grandella fazia parte, que se apresentava como sociedade gastronómica. Alguns "episódios da vida makavenkal" foram relatados por ele no livro Memórias e Receitas Culinárias dos Makavenkos, de 1919.

"Faz lembrar um conto de fadas"

Nos últimos anos de Oitocentos, o empresário abriu fábricas de malhas, tecidos, fiação e móveis de ferro em Benfica. Para acompanhar a evolução industrial, visitou Manchester, Birmingham e Londres e viajou propositadamente para Paris com a proposta de abrir uma sucursal dos Armazéns Printemps em Lisboa. "Ao chegar, porém, a Paris, todo aquele movimento, toda aquela vida, foram como que um banho de energia que tomei!" Guardou a proposta no bolso, regressou e comprou, em 1903, um prédio na Rua do Carmo, cujas traseiras eram contíguas ao edifício da Rua do Ouro que adquirira em 1890 e no qual instalara uma primeira versão dos Armazéns Grandella, com 40 diferentes secções.

Tudo se compunha para abrir em Lisboa um grande centro comercial semelhante aos Printemps. Contratou o arquiteto Georges Demay, autor do projeto parisiense, e iniciou-se uma obra colossal que permitiu a ligação dos dois edifícios, com entradas em ambas as ruas, e a construção de dez pisos. A 7 de abril de 1907, 28 anos depois de abrir as Fazendas Baratas, Grandella inaugurou os luxuosos Grandes Armazéns Grandella, com uma escadaria nobre e um elevador elétrico, uma secção inédita de material fotográfico, cantinas para os empregados ornamentadas com azulejos de Bordallo Pinheiro e uma fachada com uma frase do proprietário: "Sempre por bom caminho e segue." O interior "faz lembrar um conto de fadas, uma lenda das Mil e Uma Noites", escreveu Grandella na revista A Cidade e os Campos, uma das duas publicações (a outra era a Passatempo) editadas pelos Armazéns e nas quais publicava, por vezes, contos da sua autoria.

Grandella mudou-se para o último piso. Tinha então 54 anos e cinco filhos de três mulheres. O aumento dos preços dos produtos importados aquando da eclosão da I Guerra Mundial e a sua intransigência em alterar o preço de venda, a crise das subsistências em 1917 e a tragédia económica e humana resultante da participação de Portugal no conflito criaram "dificuldades" aos negócios. As fábricas pararam a laboração. Pediu crédito na banca e hipotecou alguns bens; criou uma sociedade por quotas com os funcionários mais antigos e escolheu o filho Luís como seu sucessor. Matilde, Francisco Maria e Maria Justina acusaram-no de prodigalidade.

O tribunal, porém, deu razão a Grandella, então com 71 anos. Luís ficou responsável pelos Armazéns e o pai retirou-se para o palácio da Foz do Arelho, onde "cultivava" a pintura "por mera distração", como informou em 1905 o Jornal das Senhoras. O Banco Porto Covo & C.ª tornou-se, em 1932, o acionista maioritário da Grandella & C.ª, e em 1935, Luciana Maria de Oliveira Croft, condessa de Porto Covo, era a única proprietária da empresa. Francisco Grandella morrera um ano antes, a 20 de setembro.

Brandão escreveu em 1933 que o empresário vivia "afastado e solitário, como um príncipe no exílio". "Coleciona quadros antigos, abre a boca com sono e, de quando em quando, desce majestosamente ao parque, onde os veados, de grandes armas decorativas, lhe vêm comer à mão."

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.