"Servir é um ato nobre. Escolas deviam ter a disciplina da cultura de serviço"

Carla Carvalho Dias fundou a empresa Top Service Academy

E hoje já sorriu para alguém? "Um dia uma senhora apresentou-se na consulta de Mario Alonso Puig, especialista de cirurgia geral e digestiva. A senhora sofria há três anos de problemas dolorosos no estômago e trazia consigo um volumoso dossiê com radiografias, endoscopia e análises. O médico (espanhol) percebeu que as dores se faziam sentir quando ela estava no trabalho. E passou a receita: "Vou pedir-lhe que durante os próximos 15 dias sorria ao seu chefe." Ela espantou-se: "Impossível. Ninguém consegue sorrir àquele homem." Quinze dias depois quando voltou à consulta a senhora disse que se sentia muito melhor: "Já nem tenho dores." Esta é uma das muitas histórias que Carla Carvalho Dias conta para explicar o quanto vale um sorriso quando se está a servir alguém, seja em que profissão for.

É licenciada em engenharia mecânica no ramo de termodinâmica e fluidos mas anda há 20 anos a promover a cultura do bom serviço em Portugal, com palestras e workshops, porque, salienta, "saber servir é acima de tudo um ato de inteligência e uma experiência que pode trazer elevados benefícios ao país e à própria pessoa".

Carla Dias, de 46 anos, fala de forma emotiva. O seu discurso é vivo, feito de muitos episódios que foi reunindo ao longo da sua carreira de public speaker.

Explica que tem como missão de vida "contribuir para a melhoria da cultura de serviço em Portugal, e - porque não? - no mundo", e foi isso que a levou a fundar a empresa Top Service Academy. "Crescemos com o pensamento que nos foi incutido de que não somos criados de ninguém, que não estamos nesta vida para servir ninguém. A cultura de bom serviço, o Top Service, é uma forma de estar na vida, tem necessariamente de começar internamente, em cada um, e depois traduz-se numa forma de estar em equipa e numa empresa. Um mau serviço leva a uma má reputação da empresa, à perda de clientes, e consequentemente a menos lucro, piores salários, pessoas frustradas e a um mau serviço", afirma Carla Dias, que se especializou em reestruturação e reorganização empresarial, tendo uma certificação internacional em coaching de indivíduos, equipas e organizações.

A transversalidade do conceito e do estilo de Top Service Talk está bem patente pela diversidade de quem a procura: sobretudo empresas privadas, de áreas que vão da indústria automóvel a agências de viagens, imobiliário, hotelaria, construção, telecomunicações, farmácias, veterinários. "Não são ações de motivação, porque não faço milagres... Tento fazer que algumas pessoas tomem consciência de que o caminho que estão a seguir não é o melhor nem para elas nem para o país. Procuro passar a mensagem do que é isto de cultura de serviço", diz, acrescentando que sente que hoje as empresas estão mais sólidas, investem mais no desenvolvimento dos recursos humanos e procuram que as suas equipas sejam "dinâmicas e que, sobretudo, tenham atitude".

Na sua perspetiva, o grande desafio de Portugal passa por uma educação em serviço, que pudesse ajudar a quebrar o paradigma de que "serviço não é subserviência". "Somos muito bons a servir, culturalmente bons anfitriões, mas não percebemos que servir não é só isso. É tudo o que fazemos e é um ato nobre. O país teria muito a ganhar se fosse criada nas escolas, logo nos primeiros anos de ensino, a disciplina de educação em serviço."

Mãe de dois filhos, um de 10 e outro de 14, Carla Dias conta como em casa o conceito já está enraizado: "Um dia destes, num estabelecimento comercial, o mais novo abriu a porta a uma senhora de idade e deixou-a passar. O gesto recebeu total indiferença. E ele comentou: "viste mãe, fui top service, a senhora é que não agradeceu." Isto cultiva-se. Não estou a dizer que as pessoas são mal educadas, só não tiveram essa formação, a de saber servir."

E é também aqui que entra o outro conceito desta especialista na questão motivacional: Smerve (smile and serve - sorria e sirva). "Assumi este manifesto, que considero essencial para que cada um de nós faça a diferença, nas mais variadas ações e formas de atuação, mesmo em casa, com os amigos ou no trabalho."

Se o turismo é uma das áreas que mais tem a ganhar com os "ensinamentos" de Carla Dias, as questões humanitárias não passam ao lado da sua mensagem. "Receber um refugiado com dignidade é acima de tudo dizer-lhe "tens aqui um sítio onde podes trabalhar de forma séria e refazer a vida". Isto também é cultura de serviço."

A terminar a conversa com o DN, impunha-se a questão: Como é que uma engenheira mecânica, especializada em termodinâmica e fluidos, começou a trabalhar na reestruturação de empresas? Carla Carvalho Dias mostra que já está habituada "à pergunta difícil". "Tirei o curso por paixão pela mecânica, ainda hoje tenho fixação por tudo o que são porcas, martelos, motores, aviões... e vejo que a vida toda é termodinâmica e fluidos e as organizações/empresas também. As leis da termodinâmica baseiam-se nos sistemas, no caos, ordem, na desordem, no regime turbulento. Essas leis estão presentes no momento em que existe um conjunto de indivíduos. Afinal, nós somos átomos, somos fluidos."

Últimas notícias

Conteúdo Patrocinado

Mais popular

  • no dn.pt
  • Sociedade
Pub
Pub