Seguir na 2.ª Circular a 60 km/hora pelo meio de árvores

Como o troço junto às Torres de Lisboa poderá ficar

Câmara quer instalar separador arborizado com 3,5 metros de largura em toda a extensão da via. Projeto está em consulta

Conduzir com árvores à esquerda e à direita não será a imagem que mais facilmente se associa à Segunda Circular, mas, dentro de um ano, poderá ser precisamente essa a realidade. Até ao próximo dia 15, está em consulta pública o projeto da Câmara Municipal de Lisboa (CML) para transformar aquela via rápida numa avenida urbana em que o verde impera até no separador central e a velocidade de circulação não ultrapassa os 60 km/h. A intervenção visa aumentar a segurança, a fluidez e a qualidade ambiental da via, mas não convence a Associação de Cidadãos Auto-Mobilizados (ACA-M) nem o Automóvel Club de Portugal (ACP), que antecipam mais trânsito na cidade.

O projeto está ainda aberto a contributos de qualquer pessoa e, por isso, pode ainda vir a ser alterado, mas, a concretizar-se conforme a proposta atual, mudará radicalmente a face da Segunda Circular. Hoje semelhante a qualquer via rápida, poderá, em 2017, passar a ter em toda a sua extensão um separador central com 3,5 metros de largura que só sob os viadutos não será arborizado. O espaço será ganho à custa da vias onde circulam os carros: cada uma passará a ter apenas 3,25 metros de largura, ficando a da direita, cujo betão será de uma cor diferente, destinada a movimentos de entrada e saída.

De acordo com a proposta disponível no site da autarquia liderada por Fernando Medina, a Segunda Circular deverá, de resto, ser repavimentada em toda a sua extensão, numa intervenção que permitirá diminuir em 50% o ruído provocado pela circulação dos automóveis. Simultaneamente, o seu sistema de drenagem será reabilitado, a sua sinalização será renovada para se tornar "mais visível e compreensível" e a sua iluminação será substituída por uma "solução mais eficiente" que permitirá reduzir o consumo de energia em 60%.

O "antes" e o "depois" na zona do Campo Grande

No final, a velocidade de circulação não deverá ir além dos 60 km/h - atualmente, a máxima permitida é 80 km/h -, estando prevista a instalação de "um sistema de controlo de velocidade média nos troços mais críticos em termos de segurança". Estão, aliás, previstas alterações em três nós considerados críticos: junto ao Estádio da Luz, onde é eliminado o acesso da Avenida Condes de Carnide; no Campo Grande, onde, para compensar a eliminação do acesso da Segunda Circular à Avenida Padre Cruz, será antecipado o movimento de saída junto ao Colégio de Santa Doroteia; e perto da Azinhaga das Galhardas, cujo acesso será eliminado mas "apenas após a reformulação da ligação da Avenida Lusíada ao eixo Norte-Sul" (ver infografia).

"A conclusão do eixo Norte-Sul, em 2007, e mais tarde da CRIL, em 2011, vieram potenciar a transferência do tráfego que hoje circula na Segunda Circular para estas vias do sistema regional com características de autoestrada, permitindo, agora, alterar a função e as características da Segunda Circular para um grande eixo distribuidor de tráfego interno à cidade com caráter mais urbano", justifica, na apresentação do projeto, o município. A autarquia frisa ainda que em causa está a "rodovia de Lisboa com maior nível de sinistralidade" e que a intervenção permitirá aumentar a sua segurança, fluidez e sustentabilidade ambiental.

Manuel João Ramos, presidente da ACA-M, reconhece que a CML herdou uma estrada "com imensos problemas de origem" e sublinha que já em 2007 se tinha concluído que "era urgente fazer obras de repavimentação, alteração do traçado e sinalização na Segunda Circular", mas defende que a solução deveria passar por mudanças de perfil. "[Esta proposta] vai causar engarrafamentos monumentais, tem um tráfego pesadíssimo. Se calhar era mais urgente resolver o problema do traçado", sublinha.

O responsável defende, assim, que, "antes de tratar" daquela via rápida, deveria ser "prioritário" devolver o perfil urbano" às avenidas de Berna e de Forças Armadas, que, frisa, sofrerão o efeito de eventuais alterações na Segunda Circular.

Manuel João Ramos refuta ainda que a conclusão do eixo Norte-Sul e da CRIL seja suficiente para permitir a reconversão da Segunda Circular numa avenida urbana. "Ao mesmo tempo, abriu o Túnel do Marquês [o último troço foi inaugurado em abril de 2012]. O que tinha sido tirado, voltou", lembra.

Igualmente crítico é o presidente do ACP, entidade que está a preparar um parecer para entregar ainda durante a consulta pública. "Não tem qualquer espécie de sentido: aquilo não é propriamente um passeio, um sítio para passear", afirma Carlos Barbosa.

Ao DN, a CML reitera que "a intervenção proposta para a Segunda Circular visa aumentar a segurança e a capacidade de escoamento desta via, que é hoje muito inferior à aparentada pela atual velocidade legal". Em hora de ponta, por exemplo, esta não vai, em média, além dos 45,7 km/h.

Depois de terminar a consulta pública, o projeto volta a reunião do executivo municipal. As obras deverão durar 11 meses, não havendo ainda uma data definida para o início dos trabalhos.

Últimas notícias

Mais popular