Sarampo e rubéola estão erradicados em Portugal

Especialistas destacam importância das vacinas e de continuar a dar proteção às crianças. País tem mais 5 doenças eliminadas

Portugal erradicou a rubéola e o sarampo, uma das principais doenças contagiosas entre as crianças. O diploma da Organização Mundial da Saúde (OMS), que oficializa a eliminação, foi entregue na Direção-Geral da Saúde, sendo cinco os certificados que o principal organismo da saúde mundial já deu ao país. Portugal, onde os casos daquelas doenças registados nos últimos anos foram consequência de infeções em outros países, tem sete doenças eliminadas, colocando-o na lista dos melhores a nível mundial.

"Este é o resultado de um grande trabalho conduzido ao longo dos anos. É um prémio que distingue o Serviço Nacional de Saúde. As mães que agora não lidam com o sarampo devem saber que é uma doença muito grave, com febre muito alta e que era adquirida por todas as crianças. Podia provocar a morte ou estar na origem de pneumonias provocadas pelo próprio vírus. A eliminação do sarampo tem reflexo imediato nas doenças e mortalidade infantil. No caso da rubéola, provocava mal formações nos fetos e por isso os efeitos fizeram-se sentir aí", salientou ao DN o diretor-geral da Saúde, Francisco George, explicando que o termo erradicação usa-se quando as doenças deixam de circular a nível mundial, mas que "como os vírus não se encontram em Portugal pode dizer-se que houve erradicação" no nosso país.

Além da rubéola e sarampo, a OMS também certificou a eliminação, em Portugal, da malária, varíola e poliomielite (paralisia infantil). Há ainda mais duas doenças que já não circulam em Portugal: a difteria (sem transmissão há cerca de 30 anos) e a raiva humana. "Existem muito poucos países com resultados semelhantes aos nossos. Temos uma saúde pública muito avançada e é por isso que temos dos melhores resultados de mortalidade infantil", diz Francisco George. No mundo apenas a varíola está dada como erradica. Em breve a OMS deverá fazer o mesmo com a poliomielite.

Há muito que o vírus do sarampo não circula em Portugal e que os casos registados - oito confirmados entre 2011 e 2014 - são importados. São pessoas que vieram infetadas de outros países, mas como a taxa de vacinação em Portugal é muito alta, o contágio não aconteceu. O certificado de eliminação dado pela OMS torna-se ainda mais importante quando Europa e EUA lutam contra surtos da doença por causa da redução das taxas de vacinação.

"É por isso que não podemos deixar de vacinar enquanto o vírus continuar a circular no mundo. O sarampo chegou a estar eliminado das Américas todas e agora é um problema no Estados Unidos", alertou Graça Freitas, subdiretora-geral da Saúde, explicando que uma doença é classificada, pela OMS, de eliminada ao final de 36 meses consecutivos sem casos próprios. "Portugal não tem há mais tempo, porque conseguimos interromper a transmissão dos vírus", acrescenta.

O pediatra Mário Cordeiro considera que estes resultados "são uma vitória da saúde pública". "Nada podia ser mais explicito que vale a pena vacinar. Conseguimos controlar e erradicar estas doenças. É bom que não se esqueçam que há cerca de 20 anos Portugal teve um surto de sarampo em que morreram perto de 50 crianças. A memória não pode ser curta para não repetirmos o mesmo erro. Se não vacinarmos podemos voltar a ter o vírus. São as doenças que matam, não as vacinas. Estas são a melhor prevenção. Cai por terra as teorias da conspiração que a vacina podia estar a associada ao autismo. Os pais não são donos das crianças, são gestores. Os que têm medo e não vacinam por razões infundadas é bom que assumam a responsabilidade da decisão se as crianças ficarem doentes. A vacinação gratuita, do Plano Nacional de Vacinação, foi um êxito. Existem outras como a meningite B e varicela que talvez pudessem ser incluídas", afirma o pediatra.

Relacionadas

Últimas notícias

Conteúdo Patrocinado

Mais popular

  • no dn.pt
  • Sociedade
Pub
Pub