Portugal taxa bebidas e proíbe doces nas máquinas automáticas

Neste mês, todos os pacotes de açúcar passam a ter menos quantidade. Máquinas de venda automática mudam em março

Diminui a quantidade de açúcar por pacote na cafetaria e na restauração, aplicam-se taxas sobre as bebidas açucaradas e proíbem-se os doces das máquinas de venda automática do Serviço Nacional de Saúde (SNS). Portugal parece já ter declarado guerra ao açúcar, mas a bastonária da Ordem dos Nutricionistas alerta que ainda há muito a fazer para diminuir o seu consumo.

Além das referidas medidas, Pedro Graça, diretor do Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável da Direção-Geral da Saúde, destaca uma ação tomada anteriormente para baixar o consumo de açúcares: as orientações dadas às escolas para a oferta alimentar nas cantinas. "Para percebermos o efeitos destas iniciativas, será publicado em março o Inquérito Nacional da Alimentação, que também irá avaliar a quantidade de açúcar que os portugueses ingerem", adianta. Quando saírem os resultados, será possível perceber se é nas crianças ou nos adultos que há um maior consumo, quais as diferenças entre o norte e o sul.

Tal como o sal, sublinha Pedro Graça, "o açúcar é uma das grandes fontes de preocupação a nível europeu", uma vez que "é um produto muito barato", e, na maior parte das vezes, "invisível", já que a sua maior ingestão ocorre em produtos que não são açúcares, mas onde está presente. Alexandra Bento, bastonária da Ordem dos Nutricionistas, diz que "é importante que a indústria alimentar reduza a quantidade de açúcar nos seus produtos". Como os consumidores estão habituados aos alimentos com um determinado sabor e perfil, se uma empresa reduzir o açúcar dos seus alimentos, isoladamente, pode perder clientes para a concorrência.

"O que se quer é que haja um acordo entre o Ministério da Saúde e as associações do setor - dos refrigerantes, dos cereais, dos laticínios - e que se comprometam com uma redução num determinado horizonte temporal", sugere.

A bastonária da Ordem dos Nutricionistas aplaude a taxação sobre as bebidas açucaradas, que entra em vigor em fevereiro, mas ressalva que só faz sentido "se o valor for usado na componente de educação alimentar". "A legislação diz que reverte para o SNS. Acredito que seja para medidas preventivas relacionadas", acrescenta.

Quando questionada sobre aquilo que ainda tem de ser feito em Portugal, a bastonária alerta para a necessidade de consciencialização. "Tem de existir uma tomada de consciência que o consumo é excessivo e que tem consequências negativas". Tudo o que servir para "aumentar a literacia nesta área é de mérito". Uma população "mais informada faz melhores escolhas".

Fruto de um acordo entre a indústria e as autoridades de saúde, a partir deste mês, todos os pacotes de açúcar distribuídos na cafetaria e restauração terão entre cinco e seis gramas, ao contrário das anteriores seis a oito. Já a partir de março, os doces, bem como os snacks e os salgados, desaparecem das máquinas de venda do SNS. Para este ano está ainda previsto o arranque do Plano Assistencial Integrado para a Pré-Obesidade, um modelo de intervenção da DGS. Este prevê que qualquer pessoa que, por qualquer motivo, recorra a uma consulta num centro de saúde seja pesada e medida. Mesmo que entre com uma gripe. Se for detetado excesso de peso, será marcada uma outra consulta para avaliação do problema.

Relacionadas

Últimas notícias

Conteúdo Patrocinado

Mais popular

  • no dn.pt
  • Sociedade
Pub
Pub