Passos Coelho copiou discurso de Estado da Nação de Facebook de ex-ministro

Discurso de ex-primeiro-ministro tinha várias frases retiradas de uma publicação no Facebook de Poiares Maduro, que tinha dado autorização para o fazer

Pedro Passos Coelho proferiu esta tarde um discurso no debate do Estado da Nação que incluía várias palavras do ex-ministro Miguel Poiares Maduro.

O antigo ministro do Passos Coelho publicou na terça-feira à noite um texto no Facebook em que falava sobre os temas da atualidade. Passos Coelho repetiu as palavras de Poiares Maduro mais do que uma vez no parlamento, nunca citando o verdadeiro autor.

Compare as palavras dos dois políticos.

Passos Coelho, no debate do Estado da Nação:

"Um primeiro-ministro diz ao país que aceitou o pedido de demissão de secretários de Estado para estes poderem solicitar ser constituídos arguidos e depois descobre-se que, afinal, resignaram porque já tinham percebido que iriam, de qualquer modo, ser constituídos arguidos;

"Um primeiro-ministro informa o Parlamento que a retirada de três territórios da lista de paraísos fiscais foi feita depois de consultados os serviços técnicos mas afinal os serviços técnicos não foram tidos nem achados na decisão que não está, sequer, fundamentada face aos critérios dispostos na lei;"

"Um primeiro-ministro, depois de andar um ano a prometer solucionar o problema do crédito malparado, afirma publicamente que o Governo e o Banco de Portugal estão a concluir negociações com as instituições europeias para adotar finalmente uma solução, mas, poucos meses depois, pela voz de uma administradora do Banco de Portugal, vem-se a perceber que, afinal, não existia solução porque as regras europeias não o permitem;"

"O Governo informa que solicitou um parecer técnico independente sobre um contrato na PPP SIRESP e depois descobre-se que, afinal, o parecer foi solicitado a quem tinha assessorado o contrato inicial;"

"Um Governo diz que aumenta o orçamento dos serviços e que a austeridade acabou, mas depois impede os serviços de gastarem o aumento e, em alguns casos, até se constata que o gasto foi inferior ao que era antes, em particular quando se excluem os gastos com salários;"

"Um Governo desfila pelo palco da tragédia de Pedrógão e, passado um mês, ainda nem sequer teve a capacidade de apresentar formalmente a Bruxelas o pedido de ajuda financeira para acorrer às pessoas;"

"Uma maioria parlamentar propõe-se encerrar um inquérito à CGD antes da decisão judicial que autorizaria o acesso aos documentos fundamentais para apurar os respetivos factos;"

"É difícil, senhor presidente, minhas senhoras e meus senhores, não encontrar nesta sequência um padrão, que se estende a muitos outros exemplos. Estou certo que, em muitos países, e sobretudo naqueles com os quais gostamos de nos comparar, isto seria considerado grave. Infelizmente, pelo nosso país, há hoje quem encontre nesta forma de proceder traços de genialidade ou de grande habilidade política."

Texto publicado pelo ex-ministro Miguel Poiares Maduro no Facebook, na noite de terça-feira:

"Um PM diz ao país que aceitou o pedido de demissão de Secretários de Estado para estes poderem solicitar ser constituídos arguidos e defenderem a sua honra e depois descobre-se que afinal resignaram porque já tinham sido constituídos arguidos."

"Um PM informa o parlamento que a retirada de três territórios da lista de paraísos fiscais foi feita depois de consultados os serviços técnicos mas afinal os serviços técnicos não foram tidos nem achados."

"O Governo informa que solicitou um parecer técnico independente sobre um contrato e depois descobre-se que afinal o parecer foi solicitado a quem tinha assessorado o contrato inicial."

"Um governo diz que aumenta o orçamento dos serviços mas depois impede-os de o gastar...."

"Uma maioria parlamentar encerra um inquérito antes da decisão judicial que autorizaria o acesso aos documentos fundamentais para apurar os factos objeto desse inquérito."

"Há um padrão nestes e noutros exemplos. Em muitos países isto seria grave. Em Portugal será descrito como génio politico!"

Segundo o Jornal de Notícias, fonte do PSD disse que é naturalíssimo que o líder da oposição receba contributos de pessoas que lhe são próximas".

Poiares Maduro disse por sua vez que "troca muitas impressões" com Passos Coelho e que este lhe perguntou se poderia usar parte do seu texto no discurso do Estado da Nação, havendo um acordo entre os dois.

Relacionadas

Últimas notícias

Conteúdo Patrocinado

Mais popular

  • no dn.pt
  • Portugal
Pub
Pub