Ministra já pôs técnicos no terreno para remendar Citius

Em 2014, o sistema informático colapsou, deixando a Justiça a marinar durante 44 dias. Ministra está a avaliar no terreno os tribunais para evitar que a situação se repita

A ministra da Justiça Francisca Van Dunem deu ordens expressas para que haja uma avaliação do sistema informático dos tribunais (Citius) que em setembro de 2014 crashou com a passagem dos 3,5 milhões de processos electrónicos coma entrada em vigor da reforma judiciária. Assim, a titular da pasta da Justiça garantiu ao DN que está decidida a resolver a "pesada herança do Governo anterior", já que a plataforma informática não aguentou o "volume" electrónico e acabou por deixar os tribunais parados durante 44 dias.

Fonte do gabinete da atual titular da pasta garantiu ao DN que "estão neste momento a monitorizar o atual Citius para dar a segurança e robustez necessária". Deixando implícito que, para já, não está em curso uma susbtituição integral do "velho" para um com um "novo" Citius. Uma monitorização "no terreno", comarca a comarca, feita por técnicos do Instituto de Gestão Financeira e Equipamentos da Justiça (IGFEJ), o organismo responsável no Ministério da Justiça (MJ) pela plataforma informática que regista todos os processos cíveis pendentes. "Para o efeito, já foram implementadas medidas de monitorização e, paralelamente, estão a ser delineadas novas medidas de desenvolvimento. A monitorização está a ser coordenada pelo IGFEJ, em estreita colaboração com os utilizadores, de forma a consolidar as condições de segurança e robustez necessárias de capacidade de resposta efetiva do sistema", diz ao DN fonte do gabinete de Francisca Van Dunem.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN.

Últimas notícias

Mais popular