Ministério gasta quase 100 mil euros em faqueiro

Contrato de aquisição foi assinado em dezembro, já com o novo Governo. Mas o anterior também comprou faqueiros

O Ministério dos Negócios Estrangeiros comprou um faqueiro por quase cem mil euros. A informação está publicada no site Base de Contratos Públicos online (BASE) desde dia 13 deste mês, e segundo o contrato, a aquisição foi feita em dezembro de 2015. O mesmo documento mostra que se tratou da aquisição parcial de um faqueiro D. João V e que custou 74.778 euros acrescido de IVA, ou seja, quase 100 mil euros.

De acordo com a SIC, a encomenda incluiu três conjuntos de carne, dois de peixe, dois de sobremesa e um de salada, num total de mais de mil peças. Mas essa informação não consta do contrato.

No BASE é ainda possível verificar que já antes, a 1 de dezembro, o ministério tutelado por Augusto Santos Silva tinha adquirido à Vista Alegre/Atlantis um serviço de jantar (pratos, chávenas e copos) para o serviço de banquete do protocolo de Estado por 43.142 euros mais IVA.

Também no anterior governo, a secretaria-Geral do Ministério dos Negócios Estrangeiros havia adquirido outros faqueiros e peças por valor semelhante. Segundo o mesmo site no qual estão publicados os contratos públicos, em julho, foram comprados à Topázio 15 faqueiros por 67.034 euros mais IVA. "O procedimento destina-se à satisfação de necessidades de várias Entidades", lê-se no site. À Toklei, a 18 de novembro - poucos dias antes da tomada de posse do governo de António Costa - a secretaria-geral do MNE comprou um outro faqueiro para 36 pessoas por 17 mil euros.

Antes, em julho, fora celebrado um contrato com a Vista Alegre/Atlantis para comprar 15 serviços de loiça oficial n.º3 por 36 mil euros, e um outro com a Sociedade Comercial de Vidros A. Rocha para a comprar de cálices por 11 mil euros.

(Notícia corrigida: por lapso foi escrito secretaria-geral do MAI em vez de MNE no quarto parágrafo)

Últimas notícias

Recomendadas

Contéudo Patrocinado

Mais popular