Médicos: 869 foram para fora e cerca de 15 mil no privado

Melhor vencimento e condições de trabalho são o que levam muitos profissionais a deixar o serviço público

Associação de estudantes, Ordem e diretores de escolas de medicina pediram a redução de vagas nos cursos, defendendo que em causa está a qualidade da formação durante a licenciatura como a dada durante os internatos da especialidade por causa do excesso de alunos nos hospitais e o número cada vez menor de médicos graduados para dar formação. Mas em entrevista ao Expresso no fim de semana, o ministro do Ensino Superior, Manuel Heitor, disse que não estava disponível para isso e que considerava que havia um défice de profissionais.

"É uma pena que o ministro do Ensino Superior, que deve colocar a qualidade acima de tudo, não se preocupasse em saber o que se passa nos cursos de medicina. Estas afirmações mostram desconhecimento. O problema da falta de médicos não se resolve com formação em barda, mas criando condições de contratação", diz Miguel Guimarães, presidente da secção norte da Ordem dos Médicos, referindo que vários estudos apontam que bastaria forma cerca de 1300 médicos por ano para as necessidades em vez dos 1600 atuais e que está a deixar licenciados sem vagas para especialidade.

"Temos registados na Ordem cerca de 45 mil médicos. A OCDE indica que temos 4,3 médicos por mil habitantes. Quando falamos de SNS, aí sim temos um problema de falta de médicos. Segundo os dados da Administração Central do Sistema de Saúde trabalham no SNS cerca de 27 mil médicos, dos quais perto de 9000 são internos", afirma, lançando a pergunta: "Porque é que temos tantos médicos e falta no SNS?"

A resposta é múltipla. "Desde 2012 temos cada vez mais médicos a emigrar, as reformas antecipadas têm vindo sempre a subir - nos últimos dois anos reformaram-se perto de 3200 médicos, sendo que 90% foram reformas antecipadas - e grande parte dos médicos trabalha só no privado. Se 50% dos médicos que emigram, que se reforma ou que estão no privado fossem para o SNS não teríamos falta de profissionais."

Só a formação académica custa entre 60 mil e 100 mil euros. Mas o SNS não está a ser capaz de aproveitar este investimento. "Em 2014 emigraram 394 médicos e em 2015 foram 475. Foi o valor mais elevado de sempre. O principal motivo da saída foram as condições de trabalho: a acesso á medicina que querem fazer, a especialidade que gostariam de ter, porque há médicos a sair para fazer internato, e o salário. Há médico a trabalhar em Inglaterra ou em Espanha que ganham três vezes mais do que ganhariam cá." A diferença está entre 2400 euros mensais brutos em Portugal e 7500 euros em Londres no caso de um recém-especialista. 50% dos médicos que emigraram têm entre 25 e 34 anos.

Mas é o setor privado o principal adversário do SNS. "Temos entre 15 mil e 16 mil médicos só no setor privado. Muitos dos que pediram reforma antecipada foram trabalhar só para o privado, onde a diferença de salário pode ser duas vezes superior. A atração está mais relacionada com a remuneração e com a proximidade do local de trabalho com o local onde tem a sua pessoal". Quando um médico termina o internato está na casa dos 30 anos, muitos com família já criada e a opção de deixar a cidade onde fez a formação torna-se desinteressante, sobretudo quando nos hospitais públicos não encontra as condições de trabalho que gostaria. "Quando vai para uma zona carenciada muitas vezes não encontra uma equipa com quem partilhar opinião, faltam meios para determinadas técnicas e material. Isso é desmotivador", refere. "A política de incentivos tem de mudar e têm de ser incentivos a sério. No Canadá, por exemplo, quem muda para zonas carenciadas paga menos 50% de impostos", exemplifica.

Últimas notícias

Mais popular