Hotéis criticam fim do plano para Belém e demissão no CCB

Responsáveis dos grupos Tivoli, Altis e Vila Galé estão contra a extinção do plano estratégico para a zona de Belém

Os diretores de três dos principais grupos hoteleiros nacionais - Altis, Tivoli e Vila Galé - são unânimes nas críticas à suspensão do Plano Estratégico da Área de Belém, alertando para o risco de estagnação do desenvolvimento turístico naquela zona da cidade. E coincidem também na desilusão com o afastamento do autor do projeto, António Lamas, da direção do Centro Cultural de Belém (CCB).

Na sexta-feira passada, João Soares, ministro da Cultura, confirmou no Parlamento o afastamento do gestor, invocando divergências entre os dois precisamente devido a este projeto de gestão integrada do chamado "eixo Belém-Ajuda", cuja estrutura de missão tinha sido extinta pelo Conselho de Ministros no dia 18. A demissão acabou por ser formalizada ao próprio nesta segunda-feira, sendo anunciada a nomeação de Elísio Summavielle para a direção do CCB.

Ao DN, Francisco Moser, diretor de operações do Grupo Altis, proprietário do Altis Belém, confessou não ter ficado "minimamente esclarecido" com as razões apresentadas, quer para a demissão quer para a suspensão do plano para Belém. "Acho que foi pura e simplesmente um ato político. Deixou-nos um certo amargo de boca porque tínhamos esperança de que o plano, ao menos, pudesse ser discutido", explicou.

"Agora nem sabemos se o plano existe ou se vai haver outro", acrescentou, admitindo que esta situação poderá afetar o futuro investimento do grupo naquela zona. "O Hotel Altis Belém teve um investimento já em si elevado. E tinha sido projetado a pensar num determinado segmento de mercado, num determinado nível de procura e também de um melhor desenvolvimento das acessibilidades e da oferta turística", disse. "Um hotel precisa sempre de investimento e é evidente que quanto maior for o desenvolvimento da região mais o acionista se predispõe para o fazer", acrescentou. "Sobre a componente política, não tenho conhecimentos para me pronunciar", disse ao DN Gonçalo Rebelo de Almeida, administrador dos Hotéis Vila Galé. "Mas da perspetiva de um investidor numa zona próxima, porque temos um hotel próximo de Belém, fico sem saber se vai haver estagnação de um plano, que pode ser aquele ou outro. O que nos preocupa é a perspetiva de não haver nada", explicou.

"É inquestionável que tipicamente os visitantes em Belém concentram-se no Mosteiro dos Jerónimos e na Torre de Belém. A zona tem potencial ", disse, acrescentando que o plano desenvolvido pelo antigo presidente do CCB apontava "no sentido certo". "Não conheço António Lamas pessoalmente, mas a imagem que tenho do seu trabalho, nomeadamente nos parques Sintra (ver caixa), é uma imagem positiva, de dinamização e revitalização."

"Conhecemos muito bem o António Lamas do Monte da Lua. São os responsáveis pela concessão que nós temos em Seteais", contou Filipe Santiago, porta-voz dos Hotéis Tivoli. "O que o doutor António Lamas fez em Sintra foi muito interessante", considerou. "E em relação a Belém, vi o plano que ele tinha feito para aquela zona, o distrito cultural, e achei aquilo muito interessante. Fiquei desapontado por não ir para a frente. Não percebi muito bem onde está a discordância do ministro da Cultura."

Para Nuno Constantino, atualmente proprietário de hostels como o Hub New Lisbon mas durante muitos anos consultor na área do turismo, o projeto que estava em cima da mesa fazia todo o sentido: "O plano de Belém tem muito que ver com a necessidade de criar novos polos de atração na cidade de Lisboa, que retirem a pressão turística do centro e da Baixa", defendeu. "E sabemos que um dos principais eixos de desenvolvimento de qualquer destino turístico é não concentrar toda a atividade num único centro, além de que isso significa também menos pressão sobre quem ali reside."

O DN tentou contactar João Soares, ontem à noite, mas foi informado de que este se encontrava num evento no Porto, indisponível.

No passado dia 25, em entrevista ao jornal Expresso, o ministro da Cultura admitiu que considerava o plano para o eixo Belém-Ajuda "um disparate total", tendo também dito ter "pessoas capazes" para substituir António Lamas. Já nesta semana, em declarações ao DN, o substituto encontrado pelo ministro, Elísio Summavielle, reiterou as críticas ao projeto, que rotulou de "parvoíce", relevando nessa ocasião que iria caber à Câmara de Lisboa a "coordenação" dos equipamentos da zona.

A câmara não tem comentado o tema e também não respondeu ontem às questões do DN.

Últimas notícias

Mais popular