Governo reforça papel da Polícia Municipal no trânsito. PSP não gosta

A Divisão de Trânsito da PSP da capital vai continuar a existir mas a PM ficará com mais serviços na regulação do tráfego

Está tudo pronto para arrancar o projeto que irá reforçar o papel da Polícia Municipal na regulação do trânsito na capital. Projeto esse que ainda vem do tempo de António Costa como presidente da Câmara de Lisboa, apurou o DN com fonte policial. A ministra da Administração Interna ainda não sabe quando vai entrar em vigor mas pôde garantir ao maior sindicato da PSP, na sexta-feira, que haverá uma transferência de serviços em matéria de tráfego e estacionamento da Divisão de Trânsito da polícia para a PM.

Mas a PSP não ficará em segundo plano. Pelo contrário: ficará aliviada das "tarefas menos complexas na regulação do trânsito nas artérias dentro da cidade de Lisboa", adiantou ao DN Paulo Rodrigues, presidente da Associação Sindical dos Profissionais de Polícia (ASPP/PSP), no final da reunião com a ministra, na sexta-feira. Em breve, serão mais visíveis os agentes da Polícia Municipal (PM) a regular o trânsito e a autuar condutores nas ruas da capital do que elementos da PSP.

Para já, amainou a ameaça de guerra entre as duas polícias com funções específicas sobre o trânsito em Lisboa. Mas apenas porque o que vai acontecer não é uma transferência de competências, como a PSP temia, mas uma simples transferência de serviços. A Polícia de Segurança Pública continuará a ser a única a poder fazer as operações Stop e de prevenção da criminalidade na capital e também a única a fazer investigação aos acidentes de trânsito que ocorrem em Lisboa. E a PM cumpre as funções administrativas de polícia da câmara, com a fiscalização dos regulamentos municipais, a vigilância de espaços públicos e a regulação e fiscalização do trânsito rodoviário e pedonal na área da jurisdição municipal.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Últimas notícias

Conteúdo Patrocinado

Mais popular