Luciana Abreu recorda esgotamento e insultos durante "Floribella"

A atriz revela que ouviu insultos por parte dos colegas desta série da SIC e até houve uma que a tentou agredir

Luciana Abreu revelou que sofreu um esgotamento e esteve anémica durante a segunda temporada de Floribella, a série que a SIC exibiu entre 2006 e 2008 e que a catapultou para a fama. "Eu era uma criança que foi engolida pelo fenómeno Floribella. Tenho 10% de memória desses dois anos intensos. [...] Gravava mais de 19 horas por dia, com um esgotamento e uma anemia", contou a atriz de 31 anos no mais recente episódio do podcast Maluco Beleza, de Rui Unas. "Foi muito violento", recorda.

A cantora frisou ainda que a sua chegada repentina ao mundo mediático, num papel principal, despertou a inveja de alguns dos seus colegas na série e denunciou insultos no local de trabalho. "Ninguém percebia aquilo que eu ouvia, que era: 'Parola do Norte, veio para aí ficar com o papel de protagonista. Eu como atriz ou eu como ator, já cá ando há anos, e nunca me deram um papel de protagonista. E ela vem sem curso nenhum, vem a falar à Norte, e, de repente, é a superstar de Portugal e ganha rios de dinheiro'. É inveja. Na maioria das vezes, fui explorada", lembra, negando ter ganho os tais "rios de dinheiro".

"E depois vejo os meus colegas de trabalho, que hoje em dia me respeitam e alguns até me admiram, porque fui ganhando esse respeito e admiração, a confrontarem-me no plateau, a insultarem-me, a tratarem-me mal e até a quererem agredir-me. Já aconteceu com uma atriz. Não vale a pena falar quem. Hoje em dia dou-me bem com ela, já trabalhei com ela noutros projetos. E não é fácil para uma menina de 19 anos, que estava a estudar à noite e era manicure de dia, ser engolida, de repente, por toda esta fama", adianta a atriz, que participou recentemente na novela Coração D'Ouro.

Luciana Abreu, que se prepara para entrar em breve na faculdade para estudar Artes, admite que, por vezes, também foi desagradável. "Eu vivia com uma revolta constante, porque as pessoas julgavam-me sem me conhecer".

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

Relacionadas

Últimas notícias

A tradição deu as boas-vindas à modernidade. O grupo de Zés-Pereiras Unidos da Paródia recebeu o MIMO em Amarante com uma atuação no largo da Igreja de São Gonçalo, antes do programa do festival começar, numa noite que juntou no Parque Ribeirinho Três Tristes Tigres, Tinariwen e Nação Zumbi. Após os gigantones terem saído de cena, um grupo de brasileiros radicados em Portugal aproveitou para tirar fotografias empunhando mensagens contra Michel Temer e a rede Globo e de apoio à Nação Zumbi.

O histórico grupo brasileiro foi o último a tocar na primeira noite do festival, já de madrugada, mas antes, ao fim da tarde, participou numa conversa no Fórum de Ideias. Moderado pelo consultor editorial Tito Couto, o encontro com o guitarrista Lúcio Maia e com o baixista Dengue foi um cartão de visita para quem não conhecia bem o grupo de Recife, e em especial do seu malogrado líder, Chico Science. Lúcio Maia lembrou que nos anos 80 a cidade chegou a estar classificada como a quarta pior do mundo para viver - e que a origem do nome do movimento manguebeat se deve à ideia de "afetividade" de Chico Science para com os manguezais, porque Recife foi construída à custa do aterro dos mangues. Sobre a mistura de sonoridades que caracteriza a Nação Zumbi, Dengue comentou: "Foi uma sacada muito grande do Chico. No final das contas, o nosso som era inclassificável, coisas de Pernambuco com o rock. Até para nós, hoje, soa estranho e novo o primeiro disco."

Nada estranho foi o primeiro concerto do festival, o do Quarteto Arabesco com Pedro Jóia. O grupo de cordas e o guitarrista encheram a Igreja de São Gonçalo com um repertório que começou na clássica (Luigi Bocherinni), passou pelo mestre Carlos Paredes, prosseguiu com Armandinho e Raul Ferrão, e culminou nas variações sobre fado corrido, da autoria de Jóia. Um arranque tranquilo e virtuoso. A poucos metros de distância, no Museu Amadeo de Souza-Cardoso, um septuagenário carioca com aura de lenda estreava-se em Portugal: Jards Macalé.

Mas o momento de maior simbolismo foi protagonizado por outro compatriota e colega de ofício, quando se viu Rodrigo Amarante a distribuir abraços a fãs a meio da ponte de São Gonçalo. Sobre o Tâmega também houve ação política: um movimento ambientalista passava a mensagem contra o projeto de construção de uma barragem no curso do rio. Nem tudo é música num festival como o MIMO.

E prova da importância para a região deste evento, o ministro da Economia Manuel Caldeira Cabral aproveitou a deslocação à cidade, na qual inaugurou uma start-up, para conhecer o festival, acompanhado do autarca e da organizadora, Lu Araújo.

Partilhar

Conteúdo Patrocinado

Mais popular

  • no dn.pt
  • Pessoas
Pub
Pub