As perguntas matam como o fogo?

A pergunta "como foi possível?" sobrepunha-se à fotografia de dois corpos a jazer no chão, derrotados à sombra de uma fila carbonizada de pinheiros, embrulhados, desumanizados em plásticos brancos, inertes, anónimos junto a uma pilha de automóveis destruídos. A pergunta da capa dessa edição, excecional, do Jornal de Notícias não é provocação ao poder político, uníssono nas lágrimas comovidas, na solidariedade imediatista e, sobretudo, lesto a tentar domar polémicas que exponham erros passados, acumulados, num momento em que a opinião pública se encontra emocionalmente perturbada. A pergunta do JN é o cumprimento de um dever jornalístico, é a exigência de que 64 mortes inesperadas tenham explicação, é o sinal de respeito que a comunicação social, consciente do seu papel e, também, das suas limitações, deve a quem ficou na estrada e a quem perdeu pessoas que amava.A essa pergunta, apenas primordial, temos portanto a obrigação de acrescentar muitas outras:
Porque é que a estrada 236-1, onde morreram 47 pessoas engolidas por chamas e fumo, não foi fechada a tempo? Porque é que os bombeiros não estavam lá para evitar 15 mortes nas localidades de Nodeirinho e Vila Facaia? Porque é que às 19 horas de sábado, uma hora depois da ocorrência da maioria das mortes, estavam mobilizados no combate a chamas de intensidade "nunca vista", como diziam os bombeiros, apenas 174 operacionais, 52 viaturas e três meios aéreos? Esta mobilização e as posteriores (que chegaram a quase três mil bombeiros) podiam ter sido mais rápidas? Porque há tantas pessoas a queixarem-se de que os bombeiros passaram ao pé das suas casas, ameaçadas pelas chamas, e se foram embora sem fazerem nada? Porque é que quando as temperaturas sobem a 40 graus, não há humidade no ar e preveem-se trovoadas secas, não se acionam automaticamente os meios que só estão disponíveis a partir de 1 de julho? A formação dos bombeiros para este tipo de combates é mesmo adequada? E os equipamentos que têm, são bons? Há bombeiros suficientes? É verdade que só pagam 1 euro por hora a cada bombeiro em serviço? A estratégia de combate está certa? Deve ser mesmo a Proteção Civil a tomar conta destas operações? A cadeia de comando funciona? Porque é que o SIRESP, o sistema de comunicações para emergências que custou balúrdios ao país, voltou a "tremer"? E as torres de telemóveis não têm geradores elétricos? As pessoas que ficaram sem casa e não têm seguro vão viver onde? Porque ninguém cumpre a lei que obriga as árvores a estarem, pelo menos, a 10 metros das estradas? Porque é que os engenheiros florestais se queixam que as suas recomendações de prevenção e combate a incêndios são ignoradas? O Estado devia responsabilizar-se pela limpeza das florestas que ninguém quer limpar? Não deviam ser os próprios bombeiros a coordenar as limpezas florestais e a decidir os locais de abertura de caminhos transitáveis? Não devia haver limites mais apertados para as extensões de monoculturas de eucalipto e de pinheiro? E afinal o que faz o Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas? Porque não há videovigilância ou outra tecnologia apropriada para deteção precoce de incêndios? E a liberalização da plantação do eucalipto não foi um desastre? Porque é que nas florestas das celuloses quase não há incêndios? Porque é que Portugal é o país europeu com maior número de incêndios por cem mil habitantes? Porque é que tem de morrer gente nos incêndios florestais? Porque é que...
Não, não podemos parar de fazer perguntas, muitas perguntas.

Do mesmo autor

Mais em Opinião

Conteúdo Patrocinado

Mais popular

  • no dn.pt
  • Opinião
Pub
Pub