Conselheira de Donald Trump sugere despedimento de jornalistas

Kellyanne Conway foi diretora de campanha de Trump durante as presidenciais

Kellyanne Conway questionou a ausência de despedimentos em órgãos de comunicação social depois das notícias com "tendência jornalística."

A conselheira de Donald Trump, e antiga diretora de campanha do presidente dos Estados Unidos, Kellyanne Conway, sugeriu que alguns dos jornalistas e comentadores que acompanharam as presidenciais norte-americanas deveriam ser demitidos. "Se isto fosse um negócio a sério e os órgãos de comunicação social principais estivessem no setor privado em expansão, que realmente gerasse dividendos, 20 por cento das pessoas tinham sido despedidas", exemplificou.

"As pessoas [jornalistas] deviam estar envergonhadas. Nem uma pessoa de uma estação foi despedida, nenhum comentador político que falou mal de Donald Trump foi demitido", denunciou Kellyanne Conway, perante o jornalista e entrevistador da Fox News, Chris Wallace. "Estão a comentar todos os domingos, estão nos canais todos os dias. Onde está o primeiro editor ou o primeiro blogger que vai ser despedido, que envergonharam os títulos para onde escrevem? Nós sabemos os seus nomes. Sou demasiado educada para os dizer. A eleição foi há três meses e ninguém foi despedido."

Antes ainda, a antiga CEO lamentou-se da cobertura jornalística em todos os momentos da corrida à Casa Branca: "Houve uma campanha anti-Trump enquanto candidato, presidente eleito e presidente. Os media falharam em entender a América. A tendência jornalística é fácil de ser detetada. Sinceramente ajuda-nos, porque a rejeição desta eleição é uma rejeição das elites e do status quo. Quem é que está a arrumar a casa? Qual vai ser a primeira estação a livrar-se destas pessoas que disseram coisas que não são verdade?"

A conselheira de Donald Trump denunciou ainda que "com a imprensa livre vem a responsabilidade e a responsabilidade é dar a história bem" e que "os media não fazem coberturas completas." Antes do discurso desenfreado, Wallace procurou defender os companheiros de profissão: "É ofensivo termos pessoas na Casa Branca há uma semana a dar-nos lições sobre o que devemos ou não devemos fazer e que devemos estar calados."

Esta tomada de posição por parte da administração norte-americana já é um padrão. Esta quinta-feira, o presidente norte-americano generalizou os media, dizendo que os jornalistas inventavam e reportavam notícias falsas. Também Steve Bannon, o responsável pela estratégia da Casa Branca, comentou que os media "deveriam estar envergonhados e humilhados e deveriam calar-se e ouvir de vez em quando."

Últimas notícias

Conteúdo Patrocinado

Mais popular

  • no dn.pt
  • Media
Pub
Pub