Renováveis já abasteceram todo o consumo nacional durante 46 dias

Entre janeiro e maio deste ano, só as barragens e as eólicas produziram quase 70% de toda a eletricidade gerada em Portugal Continental. Exportações dispararam e os preços no mercado de compra e venda de energia desceram

Não foram seguidos, mas durante 46,8 dias dos primeiros cinco meses do ano as energias renováveis produziram eletricidade suficiente para abastecer a totalidade do consumo de Portugal. Ou seja, as centrais elétricas renováveis funcionaram tanto que geraram mais eletricidade do que aquela que o país precisou até maio.

"É histórico, mas é cedo para saber se é um recorde, porque não fizemos comparações com os anos anteriores", disse ao DN/Dinheiro Vivo o presidente da Associação Portuguesa de Energias Renováveis (APREN), António Sá da Costa.

Contudo, admite que "não é um facto normal" e que o desempenho das renováveis nos primeiros meses de 2016 tem sido extraordinário. Como aliás se verificou em maio, em que quase durante cinco dias - neste caso consecutivos - o consumo elétrico foi inteiramente assegurado por renováveis.

De acordo com os dados mais recentes da APREN, "parte deste bom desempenho das Fontes de Energias Renováveis (FER) deveu-se à abundância de recursos renováveis", em especial à chuva e ao vento, que fizeram as barragens e as eólicas atingir valores históricos de produção.

Assim as barragens geraram 45,2% de toda a eletricidade produzida no país entre janeiro e maio e as eólicas geraram 24,7%. A isto junta-se também o solar e a biomassa, que, apesar de menos expressivas, têm vindo a ganhar peso no setor e durante os primeiros cinco meses do ano foram responsáveis, respetivamente, por 1,1% e 4,1%. Em consequência, as centrais que recorrem a energias fósseis - carvão, gás natural e cogeração - produziram muito menos entre janeiro e maio e não foram além dos 24,9% do total.

Aliás, tendo em conta que as eólicas geraram 24,7% e as fontes fósseis geraram 24,9%, "a eletricidade produzida a partir das centrais eólicas - 6214 GWh [gigawatt/hora] - rondou os valores da eletricidade produzida pelas centrais renováveis - 6,278 GWh", realçou a APREN na sua análise mais recente.

Exportação dispara

Quando as centrais renováveis produzem mais do que aquilo que o país precisa, o excedente é exportado, neste caso para Espanha, porque o mercado é ibérico. E, nos cinco meses em análise, as vendas para o exterior dispararam para 4168 GWh.

Quer isto dizer que, "nos primeiros cinco meses do ano exportámos quase tanto como o que importámos no ano todo de 2015 [4549 GWh], ou seja, inverteu-se completamente a situação", disse Sá da Costa. De facto, até maio, as importações de energia - que só sobem em Portugal quando não há muita chuva e vento e as centrais a carvão e gás estão a funcionar mais - registaram uma forte queda para apenas 502 GWh.

"Isto significa que Portugal obteve um saldo exportador - a diferença entre a eletricidade exportada e importada de 3666 GWh", pode ler--se no boletim da APREN.

Existe aqui um ganho que Sá da Costa estima que seja "equivalente a 106 milhões de euros" e que contrasta com os 114 milhões de euros que Portugal gastou no ano passado todo em eletricidade, porque o saldo importação-exportação foi importador. Ou seja, comprou-se mais a Espanha do que o que se vendeu.

Dadas estas circunstâncias, e que estes 106 milhões de euros de poupanças foram conseguidos em apenas cinco meses, Sá da Costa não descarta a possibilidade de 2016 ter um saldo nulo. "Mesmo que os seis meses que faltam sejam secos, há uma hipótese de acabarmos o ano de 2016 sem termos gasto dinheiro a comprar eletricidade a Espanha", disse.

Outra vantagem do aumento da produção renovável é a descida do preço a que se compra e vende eletricidade neste mercado ibérico. Segundo Sá da Costa, o preço médio entre janeiro e maio foi de 28,5 euros, menos do que a média de 51,5 euros de 2015, que foi um ano seco em que se usou mais carvão e gás, e com a média de 41 euros de 2014. Contudo, alerta que só se podem fazer comparações no final do ano, "porque não sabemos como vão ser os próximos meses".

É que, diz, mesmo com tanta chuva e vento até maio, houve 161 horas desse período em que os preços foram superiores a 50 euros e apenas duas horas em que o preço foi zero.

Consumidor não sente impacto

O ganho de 106 milhões conseguido nestes cinco meses por via do aumento das exportações de eletricidade não será, contudo, repercutido no consumidor. "Ele entra nas produtoras que colocaram a eletricidade no mercado, mas não abate na conta dos clientes. Se vender um produto a Espanha não tenho de o vender mais barato em Portugal", explicou Sá da Costa.

Da mesma forma que também não será repercutido no consumidor o facto de os preços no mercado ibérico serem mais baratos, porque o valor que se paga na conta por KWh é fixo, precisamente para poder incluir estas oscilações.

Relacionadas

Últimas notícias

Conteúdo Patrocinado

Mais popular

  • no dn.pt
  • Dinheiro
Pub
Pub