Quer salvar o planeta? Pode começar por não enviar e-mails de agradecimento

Estudo feito na Grã-Bretanha mostra que se cada adulto enviasse menos um e-mail por dia, britânicos poderiam reduzir a sua produção de carbono em 16.433 toneladas - o equivalente a mais de 81.000 voos de Londres para Madrid

O estudo visou os britânicos, mas pode aplicar-se a todos aqueles que usam o e-mail diariamente e principalmente no local de trabalho. Se é dos que costumam enviar um agradecimento por via eletrónica - mesmo quando o colega está no mesmo espaço - é dos que contribuem para o aumento da pegada de carbono, quando já se sabe que o objetivo é reduzi-la.

Segundo um estudo do OVO Energy, citado pela Reuters, os britânicos enviam mais de 64 milhões de e-mails desnecessários por dia. Os mais "inúteis" são os simples "obrigado" e "obrigada"."Estamos a pedir para que as pessoas sejam mais indelicadas? Não, em absoluto ", disse Mike Berners-Lee, especialista na área da pegada de carbono na Universidade britânica de Lancaster.

"Mas se enviar um e-mail de agradecimento a alguém que está apenas a três metros de distância, seria melhor agradecer pessoalmente", sugeriu o especialista.

As contas parecem simples de fazer: se cada adulto enviasse menos um e-mail por dia, a Grã-Bretanha poderia reduzir a sua produção de carbono em 16.433 toneladas - o equivalente a mais de 81.000 voos de Londres para Madrid, segundo o estudo.

A OVO Energy criou um software que identifica quando alguém envia um email potencialmente desnecessário e solicita ao utilizador que seja mais consciente do ponto de vista ambiental.

Os dados da pesquisa revelam que 49% dos britânicos enviam frequentemente e-mails a colegas que estão no mesmo espaço. E apesar de ser um povo conhecidos pela polidez, 71% dos inquiridos disseram que não se importariam de não receber um e-mail de agradecimento se isso ajudasse o meio ambiente.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG