Morreu Aleixei Leonov, o primeiro ser humano que deu um passeio no espaço

O cosmonauta russo, o primeiro ser humano a passear no espaço, fora de uma nave espacial na órbita terrestre, em 1965, morreu aos 85 anos, depois de um longo período de doença.

Alexei Leonov, da primeira geração de cosmonautas da ex-União Soviética - a mesma de Yuri Gagarine, o primeiro ser humano a ir ao espaço, em 1961 -, morreu este mês, noticiou a agência de notícias russa Tass.

Leonov teve a sua quota-parte de fama nos primeiros anos da era espacial, quando em 1965, se tornou o primeiro a fazer um passeio espacial fora da sua nave.

Foi uma curta "caminhada", de apenas 12 minutos, durante os quais o cosmonauta flutuou junto à sua frágil cápsula espacial, agarrado a ela apenas por um cabo, mas foi o suficiente para demonstrar que era possível sobreviver naquelas condições, e para ficar na História.

Foi por pouco, aliás, que a sua curta mas extraordinária aventura não terminou em tragédia, quando o seu fato insuflou e quase não lhe permitiu regressar ao porto seguro da sua nave. Valeu-se a experiência, o sangue-frio, e um pouco de sorte.

"Não é possível compreender isto. Só lá fora se consegue compreender a grandeza imensa de tudo o que nos rodeia", contou mais tarde, sobre o que sentiu durante aquela curta experiência, que quase lhe custou a vida, mas que o marcou para sempre.

Depois da morte do herói Gagarine, Leonov tornou-se um dos mais proeminentes cosmonautas da ex-União Soviética e foi ele quem liderou, do lado soviético, a histórica missão Soyus-Apolo, em conjunto com os Estados Unidos, e que reuniu no espaço pela primeira vez, em 1975, homens do espaço de ambos os blocos políticos.

Leonov esteve ainda na calha para ser um dos primeiros cosmonautas soviéticos a pisar a Lua, mas foram os americanos quem venceu a corrida, e o programa soviético da Lua acabou por ser cancelado, após alguns falhanços de alunagem não tripulada por parte dos soviéticos.

Depois de terminar a sua carreira como cosmonauta, Alexei Leonov mudou-se para a indústria e dedicou-se também à política. E não parou por aí. O histórico cosmonauta russo foi também autor de vários livros e publicações científicas, além de ter pintado algumas centenas de quadros. Aguns dos seus trabalhos gráficos foram usados em selos de correio na ex-União Soviética.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG