Wikipedia suspende serviço em protesto contra lei dos direitos de autor

Edições nas línguas espanhola e italiana estão suspensas até à votação no Parlamento Europeu, amanhã ao meio-dia

A enciclopédia digital Wikimedia está em protesto contra a proposta de reforma da diretiva europeia sobre direitos de autor, que será votada amanhã, às 12.00, no Parlamento Europeu. As páginas nas línguas espanhola e italiana estão mesmo suspensas, sem possibilidade de acesso até à hora da votação.

A Fundação Wikimedia, organização sem fins lucrativos que promove a Wikipedia, colocou na sua página em inglês um alerta em que disponibilizada informação sobre a nova legislação e fornece meios para contactar eurodeputados. A versão em língua portuguesa não tem referência ao tema, mantendo um comunicado sobre o facto de ter atingido um milhão de artigos.

Em Espanha, e nos países onde se escreve em castelhano, o protesto está a ser levado a sério. A comunidade espanhola da Wikipedia afirma, em comunicado, que esta proposta, se aprovada, "prejudicará significativamente a Internet aberta que conhecemos hoje", ao "ameaçar a liberdade online e impor novos filtros, barreiras e restrições no acesso". Aponta ainda que a aprovação levará a que "ações como compartilhar notícias em redes sociais ou o acesso às mesmas por meio de um motor de busca fica mais complicada". Alega mesmo que "a própria Wikipédia fica em risco". Daí o encerramento temporário para alertar as pessoas.

Alguns dos eurodeputados responsáveis pela iniciativa disseram hoje, em conferência de imprensa em Estrasburgo, que "a Wikipedia está errada, porque esta proposta afetará apenas páginas de internet para fins comerciais". De qualquer forma, a edição italiana da enciclopédia digital também está fechada desde terça-feira, em protesto que só terminará amanhã ao meio-dia.

Os principais pontos de discórdia centram-se nos artigos 11 e 13 da nova diretiva, que refletem questões como o direito dos editores de media a serem pagos quando são usados excertos de publicações suas e a criação de um filtro nos conteúdos dos mesmos editores de media.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.