TVI diz que a presença de Mário Machado no canal "faz parte de uma sociedade democrática"

O líder da organização de extrema-direita Nova Ordem Social defendeu a necessidade de um novo Salazar em Portugal no programa "Você na TV!"

A TVI reagiu esta sexta-feira à polémica criada com a presença do líder de extrema direita Mário Machado no programa Você na TV!, apresentado por Manuel Luís Goucha, afirmando que o caso se enquadra num normal debate de opiniões numa democracia.

"O debate entre diferentes correntes de opinião (...) faz parte de uma sociedade democrática, plural e tolerante, comprometida com o respeito pelas liberdades individuais", escreve o canal de Queluz de Baixo em comunicado, e que as opiniões do líder da organização de extrema-direita Nova Ordem Social Mário Machado nos programas Você na TV! e SOS 24 "foram enquadradas por visões alternativas às por si sustentadas".

"As contradições entre a sua vida pretérita [de Mário Machado] e os valores por si ora defendidos foram assinaladas. Foram igualmente abordados o seu histórico criminal, o contexto e os contornos do seu projeto político, tendo os riscos do extremismo político sido devidamente assinalados", defendeu a TVI no texto publicado no site do canal televisivo.

Durante o programa, Mário Machado defendeu a necessidade de um novo Salazar para Portugal. Também o repórter Bruno Caetano, responsável pela rubrica admitiu esta possibilidade: "Em certas partes da vida de Salazar, acho que este faz falta nomeadamente no que diz respeito a autoridade".

Na sequência da transmissão, a Entidade Reguladora para a Comunicação Social recebeu queixas motivadas pela ​​​​participação do líder de extrema-direita. E nas redes socias, muitas foram as personalidades que se manifestaram contra o convite, como o Ministro da Defesa, João Carvinho. Também o Sindicato dos jornalistas anunciou queixas contra a estação televisiva.

O canal de Queluz garante que respeita a "dignidade da pessoa humana e os direitos, liberdades e garantias fundamentais, não incitando ao ódio racial, religioso, político ou gerado pela cor, origem étnica ou nacional, pelo sexo, pela orientação sexual ou pela deficiência". E que o conteúdo emitido foi para o ar com a intenção de promover a pluralidade de opinião e com respeito à liberdade de expressão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.