Queijo já se produzia no Mediterrâneo há 7200 anos

Cientistas descobriram os vestígios mais antigos da manufatura de queijo na região mediterrânica em dois sítios arqueológicos da Croácia


Há 7200 anos os primeiros agricultores da região mediterrânica já produziam queijo. A descoberta foi feita por um grupo internacional de arqueólogos que encontrou os vestígios mais antigos de produção de queijo em dois sítios arqueológicos da Croácia, Pokrovnic e Danilo Bitinj, onde os primeiros agricultores da região se instalaram há cerca de nove mil anos.

A descoberta dessa primeira manufatura de queijo faz recuar em cerca de três mil anos a sua produção, bem como de outros produtos a partir da fermentação do leite nesta região, mostrando que eles entraram na alimentação humana mais cedo do que se supunha.

Publicada na revista científica Plos One, esta descoberta traz novidades à história desses primeiros agricultores da região e aponta para que o consumo de produtos de leite fermentado, como o queijo e iogurtes, tiveram um papel importante na consolidação e posterior expansão, para norte para e oeste, daqueles grupos humanos.

De acordo com a equipa que fez o estudo, aquelas populações começaram a usar o leite, presumivelmente na alimentação das crianças, há cerca de 7700 anos. Porquê as crianças? Porque, geneticamente, aquelas populações eram intolerantes à lactose. Só os bebés em aleitamento e as crianças durante a primeira infância podiam digerir o leite.

"Vemos ali primeiro o uso de leite, que era provavelmente recolhido para as crianças, por ser uma boa fonte de hidratação e relativamente seguro do ponto de vista de micro-organismos", explica Sarah McClure, da Universidade de Penn State, nos Estados Unidos, e uma das autoras da descoberta. "Não seria surpreendente que os adultos dessem leite de outros mamíferos às crianças", nota.

Bastaram, no entanto, 500 anos para que o leite fermentado entrasse na alimentação daqueles grupos, como mostra a descoberta feita na Croácia. Guardado em recipientes feitos de uma mistura de argila, água e areias, o leite acabaria por fermentar e o resultado - queijo e iogurtes - revelaram-se uma fonte de alimento mais segura para todos - no leite fermentado, a lactose já está processada.

A equipa identificou vestígios de queijo e de leite fermentado num conjunto de 36 dos 47 recipientes encontrados no local, ou seja, na maioria. A datação mostra que isso ocorreu há 7200 anos e, para os investigadores, esse "salto" alimentar pode ter dado um importante contributo para a expansão para norte e oeste daqueles primeiros agricultores.

Uma vez fermentado, o leite tornou-se também fonte de alimentação para os adultos, e terá ajudado a uma maior taxa de sobrevivência infantil, levando consequentemente a um aumento populacional, sugerem os cientistas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.