Preocupado com o aquecimento global? Saiba o que pode fazer

Limitar o aumento do aquecimento global a 1,5 graus Celsius em relação aos valores pré-industriais é possível, mas exige mudanças "rápidas e sem precedentes" na sociedade, avisa o Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas. Francisco Ferreira, da associação ambientalista Zero, dá alguns exemplos que o cidadão pode fazer para ajudar a atingir o objetivo.

O relatório divulgado na segunda-feira, 8 de outubro, pelo Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas (IPCC na sigla em inglês) deixa um aviso claro. Temos 12 anos para mudar comportamentos de modo a atenuar os efeitos nefastos do aquecimento global na saúde, na produção de alimentos, no ambiente, no abastecimento de água, bem como nas condições de vida.

No documento, o IPCC define como objetivo o limite de 1,5 graus Celsius em relação aos valores pré-industriais, mas para atingir esta meta é preciso avançar com medidas "rápidas e sem precedentes" na sociedade, refere o documento.

Com base em seis mil estudos, os cientistas abordam os impactos de um aquecimento de mais 1,5º Celsius, um nível que a Terra poderá atingir já em 2030 (2030-2052) por causa da inexistência de uma redução maciça das emissões de gases de efeito estufa. De acordo com o relatório, o limitar o aquecimento a 1,5º Celsius pode impedir, por exemplo, a extinção de espécies e a destruição total do coral, fundamental para o ecossistema marinho, diminuir a subida do mar em 10 centímetros até 2100 e salvar áreas costeiras.

Os especialistas dizem que ainda há tempo para reduzir o aquecimento global, tendo como base a aplicação de políticas governamentais, mas também a ação dos cidadãos. O DN falou com Francisco Ferreira, presidente da associação ambientalista Zero que deu alguns exemplos do que podemos fazer no nosso dia-a-dia.

Eficiência energética e energias renováveis


"Vinte e cinco por cento das emissões de gases com efeito estufa têm a ver com a produção de eletricidade e, portanto, a área da eficiência energética e de produção de energias renováveis são essenciais para reduzir o aquecimento global", sublinha Francisco Ferreira. Então o que podemos fazer em casa para ajudar a redução da temperatura global?

- Comprar os eletrodomésticos certos: "Significa escolher aqueles que têm a classe de eficiência energética mais elevada. Fazer a melhor utilização dos eletrodomésticos, ou seja, usá-los só com a carga cheia", explica o ambientalista. "Se tiver que mudar lâmpadas em casa procure mudar para Led e compre as de classe de eficiência energética maior".

- Apostar no isolamento: "Tudo o que seja obras de isolamento, ter janelas eficientes. Fazer uma gestão eficiente da casa. Ou seja, gerir o abrir e fechar de persianas ou de estores, de acordo com a localização da casa para maximizar o arrefecimento ou o aquecimento em casa. Procurar dar prioridade ao aquecimento e arrefecimento de uma forma natural, sem recorrer ao ar condicionado.

- Reduzir o consumo de água em casa: "Porque também implica uma gestão da energia, nomeadamente da água quente".

- Pedir o certificado de eficiência energética da casa: "Aí fica-se a saber qual é a classe energética da casa e o que se pode fazer para melhorar".

- Reparação de electredomésticos: "Não tem tanto a ver com a eficiência energética, mas também se deve apostar na reparação de eletrodomésticos. Em vez de comprar um novo equipamento, sempre que possível apostar na reparação. Isso significa uma redução de materiais e de emissões indiretamente".

- Painéis fotovoltailcos: "Se for possível colocar um painel solar na varanda ou no telhado para auto consumo. Um ou dois painéis fotovoltailcos. Um painel custa cerca de 500 euros. Fica pago ao fim de sete anos no máximo e dura mais de 25 anos"

- Investir na água quente solar. "Somos o país com o maior número de horas de sol da Europa, cerca de 3 mil por ano"

Mobilidade

"Os outros 25% das emissões de gases de efeito estufa têm a ver com os transportes, sendo que o maior problema são os transportes rodoviários individuais", afirma Francisco Ferreira. Este é um aspeto "absolutamente crucial" para a redução do aquecimento global, defende.

- Transportes: "Temos de pensar que o mais importante é recorrer ao transporte público. Vamos ver se a história dos passes sociais vai trazer alguma melhoria, uma vez que a ideia é usar mais os transportes públicos. Penso que isso só se consegue se se penalizar o uso do automóvel, como acontece com o estacionamento nas grandes cidades. Mas pode-se ir mais longe. Há países em que há portagens para se entrar nas cidades, como acontece em Florença. É possível fazer mais".

- Andar de bicicleta e andar a pé: "O uso das bicicletas partilhadas em Lisboa é um bom exemplo".

- Partilhar o carro: "E se for preciso comprar um carro, optar por veículo elétrico".

A alimentação

É uma área "muito importante", afirma o presidente da associação ambientalista Zero, que defende a compra de "produtos locais". "Se se optar por comprar produtos que não sejam locais isso implica uma maior emissão de gases de efeito estufa".

- Comer menos carne, nomeadamente vaca: "Há uma série de animais que fazem fermentação entérica, ou seja o seu processo digestivo emite metano. Não precisamos de ser vegetarianos, mas sim mais saudáveis. Em Portugal comemos carne a mais, é a própria DGS [Direçãop-Geral da Saúde] que o diz. Podemos, portanto, juntar o hábito saudável a um hábito amigo do ambiente, que é comer menos carne, porque reduz as emissões de metano, que é também um gás de efeito estufa."

- Reduzir, Reciclar e Reutilizar: "A prioridade até agora tinha sido a reciclagem, mas a aposta tem de ser feita na prevenção, ou seja na redução de resíduos. A reciclagem é muito importante, mas tem que se ir mais longe, a aposta tem de ser na redução e depois na reciclagem."

- Ação coletiva: "O cidadão tem que se mobilizar mais para pressionar os governos a ter políticas mais amigas do ambiente e do clima. Há países na Europa em que as associações ambientalistas têm mais expressão, mais força para influenciar as decisões. A ação coletiva é muito importante."

Desafio para 2050: Neutralidade carbónica

No fundo, Francisco Ferreira acredita que se pode ir mais longe para reduzir o aquecimento global do Planeta e destaca a importância do roteiro para a neutralidade carbónica 2050 que o governo está a preparar e que "garante ter zero emissões líquidas, ou seja, conseguir que o carbono que tiramos da floresta seja igual ao carbono que precisamos para as atividades humanas". "O balanço será zero. É isso que queremos atingir em 2050. É um dos nossos desafios", afirma.

O ambientalista defende, ainda, a existência "de uma lei do clima. Não uma resolução de Conselho de Ministros, mas uma lei da Assembleia da República, que marque este objetivo, que tenha consequências práticas agora e num futuro próximo".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.