Drone salva vidas já chegou à praia de Santo Amaro de Oeiras

Dispositivo conta com uma boia insuflável com capacidade para socorrer até quatro pessoas em simultâneo. É a primeira praia em Portugal a ter este equipamento

A praia de Santo Amaro de Oeiras dispõe, a partir desta segunda-feira, de um drone de salvamento capaz de socorrer até quatro pessoas, resultado de uma iniciativa dos Bombeiros Voluntários de Paço de Arcos apoiada pela Câmara.

O drone estará em permanência na praia de Santo Amaro de Oeiras, no distrito de Lisboa, fazendo desta a primeira praia do país que dispõe de um drone de salvamento, com uma boia insuflável com capacidade para socorrer até quatro pessoas em simultâneo e que "alia tecnologia à segurança das pessoas".

Na apresentação do drone à imprensa, o presidente da Câmara Municipal de Oeiras, Isaltino Morais, destacou a importância da "rapidez no socorro" às vítimas que o equipamento permite.

"Pelo que nos foi dado a observar, julgo que em apenas 40 segundos é possível colocar a boia junto da vítima. É um investimento que vale a pena", afirmou.

A aquisição do drone salva-vidas representou um investimento de cerca de cinco mil euros para o município que, numa segunda fase, espera poder empenhar o equipamento fora da época balnear, na segurança dos cidadãos do concelho.

De acordo com o comandante dos Bombeiros Voluntários de Paço de Arcos, Ricardo Ribeiro, cada salvamento no mar terá um custo de cerca de 20 euros, passando o drone a integrar o plano de segurança, já existente, da praia.

"O drone permite atingir velocidades de cerca de 55 quilómetros por hora e suporta ventos até cerca de 30 quilómetros por hora, com capacidade para transportar objetos até sete quilogramas. A boia insuflável [que apoia o salvamento] enche-se automaticamente quando toca na água", explicou o responsável da corporação.

A utilização do drone será simultânea à ação do nadador-salvador e das embarcações de socorro (mota de água e barco) que estão ao serviço das entidades na praia, otimizando as operações de socorro.

De acordo com Ricardo Ribeiro, numa segunda fase do projeto, o drone será munido de uma "câmara térmica" que vai permitir a sua utilização em incêndios urbanos.

"Se tivermos, por exemplo, um incêndio em altura, num prédio, e as vítimas estiverem inacessíveis nos últimos andares, vamos ser capazes de lhes fazer chegar estojos de primeiros socorros, garrafas de águas ou máscaras e comunicar com elas através do drone, que dispõe de um sistema de comunicação", afirmou o responsável dos bombeiros voluntários.

De acordo com o município, a utilização do drone durante a época balnear faz parte do projeto "Praias - Vigilância e Socorro" e visa promover uma resposta mais rápida e eficaz a ocorrências em que a celeridade da intervenção é fundamental para a diminuição dos riscos a elas associados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.