Premium Poupança com o aluguer de equipamentos de bebé "pode chegar aos 70%"

O aluguer em vez da compra é visto como um conceito mais económico e ecológico. Com um investimento reduzido, as famílias conseguem ter acesso aos materiais mais modernos.

Vasco, de quatro meses, herda muita coisa dos irmãos mais velhos, mas, em matéria de puericultura, há sempre novidades. Quando o Tiago e o Diogo nasceram, há 5 e 4 anos, respetivamente, ainda não se ouvia falar numa cadeira que se movimenta para cima e para baixo e balança para um lado e para o outro, imitando os movimentos que os pais fazem quando embalam os bebés - um famoso equipamento que custa perto de 300 euros. "Era algo que não íamos comprar, porque não sabíamos se o Vasco ia gostar. A possibilidade de alugar equipamentos permite experimentar para ver se ele se adapta. Além disso, a oferta está sempre atualizada em relação ao que existe no mercado", diz a mãe, Sandra Ferreira, médica, de 42 anos.

Sandra e o marido já alugaram vários equipamentos para os filhos, desde berços a aquecedores de biberões. "Geralmente, alugamos coisas que queremos experimentar para ver se gostam ou que vamos usar durante pouco tempo", explica Miguel Caridade, engenheiro, de 50 anos. O berço, por exemplo, custa quase 200 euros na loja, mas pagaram menos de 50 euros para o ter em casa durante quatro meses. "Íamos fazer um investimento grande para uma utilização de tão curta duração?", questiona Sandra, destacando que o conceito "é espetacular". E as vantagens não são só financeiras. "Poupamos espaço. Com três filhos, a casa torna-se pequena para arrumar tanta coisa".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.