NASA divulga imagens em 360º da superfície de Marte

Vídeo mostra uma cordilheira com uma grande variedade de cores e textura

A NASA divulgou no seu canal no YouTube um vídeo de Marte em 360º. Segundo um comunicado da agência espacial norte-americana, o vídeo mostra parte da Cordilheira Vera Rubin com os céus do planeta vermelho envoltos em poeira, sendo que o compartimento do rover Curiosity também foi atingido com uma fina camada de pó.

Em primeiro plano é possível observar o mais recente alvo de perfuração do Curiosity: "Stoer", em alusão a uma cidade na Escócia. A agência espacial norte-americana já tinha feito duas tentativas anteriores de perfuração que se revelaram como frustradas. Os cientistas pretendem estudar a dureza destes minerais, para determinar o que torna o local tão resistente à erosão. Para o efeito, estão previstas mais duas perfurações para este mês de setembro.

De acordo com o cientista do projeto Curiosity no Laboratório de Propulsão a Jato da NASA Ashwin Vasavada, foi a primeira vez que o rover chegou a um local com tamanha variedade de cores e texturas.

"A cordilheira não é uma coisa monolítica - tem duas secções diferentes, cada uma com uma variedade de cores. Algumas são visíveis aos olhos e surgem ainda mais quando nós olhamos para um infravermelho próximo, mesmo por detrás do que os nossos olhos conseguem ver. Algumas aparecem relacionadas com a dureza das rochas", disse Vasavada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.