Mais de 60% dos professores sofre de exaustão emocional

"Mais de 65 mil professores" revelaram "níveis preocupantes de exaustão emocional", uma das três características de 'burnout', revelou a investigadora Raquel Varela que liderou o estudo nacional com base em mais de 15 mil respostas de docentes

Mais de 60% dos professores portugueses sofrem de exaustão emocional, provocada por causas como a excessiva burocracia e a indisciplina dos alunos, revela um estudo nacional com base em mais de 15 mil respostas de docentes.

Este é um dos resultados do estudo levado a cabo por uma equipa liderada pela investigadora Raquel Varela, da Universidade Nova, a pedido da Federação Nacional de Professores (Fenprof), com o objetivo de ter dados nacionais sobre o desgaste da profissão docente.

Através de um trabalho de parceria, as estruturas sindicais distribuíram pelas escolas milhares de inquéritos com mais de cem perguntas sobre 'burnout', desgaste e 'stress' sócio-ocupacional, cansaço e mal-estar, mas também sobre dados sociodemográficos, contou à Lusa a investigadora.

O estudo mostra que os docentes mais velhos são os que mais sofrem de exaustão, com forte incidência nos profissionais com mais de 55 anos

"Mais de 65 mil professores" revelaram "níveis preocupantes de exaustão emocional", uma das três características de 'burnout', revelou Raquel Varela.

Para a investigadora, "a exaustão emocional apresenta valores elevadíssimos" entre a classe dos professores, atingindo mais de 60% dos inquiridos.

O estudo mostra que os docentes mais velhos são os que mais sofrem de exaustão, com forte incidência nos profissionais com mais de 55 anos.

O 'burnout' é causado por uma exaustão ou 'stress' profissional, despersonalização e diminuição da realização pessoal e profissional.

"Particularmente todos os professores estão cansados. Há mais professores cansados do que professores em 'burnout', devido à extensão do horário de trabalho e a intensificação das tarefas dentro do horário de trabalho"

Os professores em 'burnout' têm a sensação de não conseguirem acompanhar os alunos individualmente nem as múltiplas tarefas burocráticas que lhes são exigidas na escola, contou.

"Particularmente todos os professores estão cansados. Há mais professores cansados do que professores em 'burnout', devido à extensão do horário de trabalho e a intensificação das tarefas dentro do horário de trabalho", sublinhou.

Os professores mais exaustos são os que mais defendem a reforma antecipada.

À Lusa Raquel Varela disse que o estudo ainda não está terminado, mas já é possível confirmar uma "correlação direta entre os índices de adoecimento no local de trabalho com a gestão no local do trabalho, a burocracia e a indisciplina dos alunos".

Quase metade dos professores (42,5%) tem um baixo índice de realização, o que leva Raquel Varela a concluir que este "é um setor com níveis preocupantes de realização".

O confronto entre as expectativas e a realidade profissional do dia-a-dia é um dos fatores para os baixos níveis de realização profissional dos professores que se veem confrontados com uma "intensa falta de autonomia, pouca influência nos currículos e na gestão da escola".

Um trabalho "muito vigiado, muito repetitivo e onde os professores sentem que não conseguem dar resposta às necessidades dos alunos e da sociedade" são outros dos problemas identificados.

O inquérito mostra que, "para a maioria dos professores, os alunos continuam a ser importantes. Apesar do elevado grau de exaustão emocional, os professores gostam dos alunos"

Já os índices de despersonalização são relativamente baixos, segundo Raquel Varela que explicou à Lusa que a despersonalização se verifica quando o professor deixa de ver os alunos como indivíduos, mas sim "como uma linha de montagem", passando a haver um afastamento emocional.

No entanto, o inquérito mostra que, "para a maioria dos professores, os alunos continuam a ser importantes. Apesar do elevado grau de exaustão emocional, os professores gostam dos alunos", sublinhou.

O estudo, que será apresentado esta quinta-feira no Encontro Internacional sobre o Desgaste dos Professores, promovido pela Fenprof em Lisboa, revelou ainda uma forte dependência entre o descontentamento face aos salários e a desmotivação no local trabalho.

A investigadora alertou também para os "níveis preocupantes de falta de reconhecimento social e de cansaço" dos docentes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.