Mais de 60% dos professores sofre de exaustão emocional

"Mais de 65 mil professores" revelaram "níveis preocupantes de exaustão emocional", uma das três características de 'burnout', revelou a investigadora Raquel Varela que liderou o estudo nacional com base em mais de 15 mil respostas de docentes

Mais de 60% dos professores portugueses sofrem de exaustão emocional, provocada por causas como a excessiva burocracia e a indisciplina dos alunos, revela um estudo nacional com base em mais de 15 mil respostas de docentes.

Este é um dos resultados do estudo levado a cabo por uma equipa liderada pela investigadora Raquel Varela, da Universidade Nova, a pedido da Federação Nacional de Professores (Fenprof), com o objetivo de ter dados nacionais sobre o desgaste da profissão docente.

Através de um trabalho de parceria, as estruturas sindicais distribuíram pelas escolas milhares de inquéritos com mais de cem perguntas sobre 'burnout', desgaste e 'stress' sócio-ocupacional, cansaço e mal-estar, mas também sobre dados sociodemográficos, contou à Lusa a investigadora.

O estudo mostra que os docentes mais velhos são os que mais sofrem de exaustão, com forte incidência nos profissionais com mais de 55 anos

"Mais de 65 mil professores" revelaram "níveis preocupantes de exaustão emocional", uma das três características de 'burnout', revelou Raquel Varela.

Para a investigadora, "a exaustão emocional apresenta valores elevadíssimos" entre a classe dos professores, atingindo mais de 60% dos inquiridos.

O estudo mostra que os docentes mais velhos são os que mais sofrem de exaustão, com forte incidência nos profissionais com mais de 55 anos.

O 'burnout' é causado por uma exaustão ou 'stress' profissional, despersonalização e diminuição da realização pessoal e profissional.

"Particularmente todos os professores estão cansados. Há mais professores cansados do que professores em 'burnout', devido à extensão do horário de trabalho e a intensificação das tarefas dentro do horário de trabalho"

Os professores em 'burnout' têm a sensação de não conseguirem acompanhar os alunos individualmente nem as múltiplas tarefas burocráticas que lhes são exigidas na escola, contou.

"Particularmente todos os professores estão cansados. Há mais professores cansados do que professores em 'burnout', devido à extensão do horário de trabalho e a intensificação das tarefas dentro do horário de trabalho", sublinhou.

Os professores mais exaustos são os que mais defendem a reforma antecipada.

À Lusa Raquel Varela disse que o estudo ainda não está terminado, mas já é possível confirmar uma "correlação direta entre os índices de adoecimento no local de trabalho com a gestão no local do trabalho, a burocracia e a indisciplina dos alunos".

Quase metade dos professores (42,5%) tem um baixo índice de realização, o que leva Raquel Varela a concluir que este "é um setor com níveis preocupantes de realização".

O confronto entre as expectativas e a realidade profissional do dia-a-dia é um dos fatores para os baixos níveis de realização profissional dos professores que se veem confrontados com uma "intensa falta de autonomia, pouca influência nos currículos e na gestão da escola".

Um trabalho "muito vigiado, muito repetitivo e onde os professores sentem que não conseguem dar resposta às necessidades dos alunos e da sociedade" são outros dos problemas identificados.

O inquérito mostra que, "para a maioria dos professores, os alunos continuam a ser importantes. Apesar do elevado grau de exaustão emocional, os professores gostam dos alunos"

Já os índices de despersonalização são relativamente baixos, segundo Raquel Varela que explicou à Lusa que a despersonalização se verifica quando o professor deixa de ver os alunos como indivíduos, mas sim "como uma linha de montagem", passando a haver um afastamento emocional.

No entanto, o inquérito mostra que, "para a maioria dos professores, os alunos continuam a ser importantes. Apesar do elevado grau de exaustão emocional, os professores gostam dos alunos", sublinhou.

O estudo, que será apresentado esta quinta-feira no Encontro Internacional sobre o Desgaste dos Professores, promovido pela Fenprof em Lisboa, revelou ainda uma forte dependência entre o descontentamento face aos salários e a desmotivação no local trabalho.

A investigadora alertou também para os "níveis preocupantes de falta de reconhecimento social e de cansaço" dos docentes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)