educação

Eles estão a tirar dois cursos ao mesmo tempo. E um deles é Medicina

Queriam ser médicos, mas descobriram um curso que não é suficientemente desafiante. Maria decidiu tirar também Engenharia Informática, Jorge prepara-se para terminar o mestrado em Filosofia Política.

Já se habituou às mais diversas reações. Alguns não acreditam, outros pensam que está a fazer workshops ou algo do género. Até há quem julgue que é "maluca". Ri-se. "Adoro estudar. Se fosse milionária, estudava a vida toda". Aos 22 anos, Maria Daniel Loureiro frequenta o 5º ano de Medicina na Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP) e o 2º ano de Engenharia Informática no Instituto Superior de Engenharia do Porto (ISEP). Dona de um sorriso fácil, humor apurado e ar descontraído, faz parecer simples o que muitos pensam ser impossível. "É desafiante", diz.

Sexta-feira, 28 de dezembro, 10.00. Encontramo-nos no ISEP para conversar. Maria está de férias, mas vai estudar para um exame de Medicina e trabalhar num projeto de Engenharia Informática. Num dia normal teria acordado às 07.00 para estar na FMUP às 08.30. Iria às aulas de Medicina até à hora de almoço e poderia passar a tarde a estudar sozinha, ir a algumas aulas ou ao ginásio. Das 18.00 às 23.30 teria aulas no ISEP (regime pós-laboral). Chegaria a casa, em Gaia, por volta da meia-noite.

"Às vezes sinto-me cansada. Mas, para mim, relaxar é estar com as pessoas de quem gosto. Como arranjo tempo para isso, está tudo bem. Não me sinto afogada em tarefas. Tenho muito tempo livre", diz ao DN. Apesar de frequentar dois cursos em simultâneo, consegue ter tempo para ir a festas, a concertos, ao cinema, aos jantares com os amigos. Tem as prioridades bem definidas: "Aceitar convites para fazer coisas, estudar e, por fim, dormir. Para manter a sanidade mental, tenho de estar com pessoas. Se isso implicar dormir duas ou quatro horas, não há problema".

Maria faz parte de uma minoria de alunos que opta por tirar dois cursos em simultâneo. Contactado pelo DN, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES) adiantou não existirem dados estatísticos sobre a frequência simultânea em Portugal, mas, de acordo com a informação recolhida junto de algumas universidades, são poucos os jovens que se encontram a tirar dois cursos superiores ao mesmo tempo. São mestres na arte de gerir o tempo, e conseguem fazer muito para além de estudar.

Quando chegou ao 12º ano, Maria estava dividida entre Medicina e Engenharia Biomédica. A decisão foi como "atirar uma moeda ao ar". Entrou em Medicina com média de 18.9 valores. "Embora a matéria fosse complicada, não achava o curso imensamente desafiante do ponto de vista intelectual. Era muito à base de memorizar", conta. No terceiro ano, quando frequentou a cadeira de Biofísica, percebeu que lhe "faltava alguma coisa". Voltou a entusiasmar-se a "analisar problemas, a estudar os caminhos para chegar a uma solução". Percebeu que tinha saudades do "processo de pensar".

O objetivo inicial não era fazer dois cursos, mas apenas algumas cadeiras (de Biomédica e Informática) que achava interessantes. "Mas vi que era mesmo giro". Agora, divide-se entre as duas universidades. "É puxado, mas é genuinamente o que eu quero". Se conseguir continuar a fazer os dois, acaba ao mesmo tempo. "Não atrasa a minha vida de maneira nenhuma. Não vejo qualquer desvantagem", sublinha. Nem sequer sente muita pressão. "Como estou a fazer o segundo curso por mim, sei que se tiver de deixar uma cadeira para trás, ninguém vem atrás de mim. Sentia-me incomparavelmente mais stressada no 1º ano de Medicina". Até agora, o pior que já lhe aconteceu foi deixar cadeiras para fazer na época de setembro.

Reconhece que há um conjunto de fatores que permitem levar a sua opção a bom porto. Além da proximidade entre as duas faculdades (poucos metros a pé), vive com os pais. "Pago cerca de dois mil euros de propinas por ano. Só é possível, porque vivo com eles. Dão-me imenso apoio. Ajudam-me com as refeições, e são muito compreensivos". No início, tinham receio que as notas de Medicina baixassem, mas isso não aconteceu. "A maneira como estudo para os dois cursos é muito diferente. Descansar do estudo de Medicina é estudar Informática". E vice-versa. "É compatível". Como tem menos tempo para estudar do que os colegas, considera que está com "atenção redobrada" quando o faz.

Quando terminar os dois percursos, Maria será médica e engenheira. Mas recusa títulos. "Apenas Maria". Por agora, diz que não se imagina a exercer medicina como especialista. "Mas não quer dizer que as coisas não mudem". Aproveita os verões para fazer cursos e estágios. "Vou tentando provar um pouco das duas áreas. Preocupo-me em ser independente e encontrar trabalho, mas não sei o que vou fazer daqui a cinco ou dez anos". Juntar as duas áreas é uma opção, mas não é obrigatório. Diz que o maior contributo que a Medicina lhe deu foi aprender a comunicar com os outros. "O da Informática é ter pensamento analítico, coerente".

Medicina aliada à Filosofia Política

Jorge Félix Cardoso, de 23 anos, também é uma exceção entre os 372 753 alunos que, de acordo com o Pordata, se encontram no ensino superior no ano letivo 2018/19. Frequenta o 6º ano do mestrado integrado de Medicina na Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e o 2º ano do mestrado de Filosofia Política, na Universidade do Minho. "Não há uma fórmula mágica, logicamente. Implica muito sacrifícios, uma boa gestão de tempo, força de vontade e (ironicamente) algum sacrifício da saúde ao nível do repouso e das horas de sono ou da atividade física regular, por exemplo".

Decidiu procurar uma licenciatura em Filosofia quando se encontrava no 2ª ano de Medicina. "Não estava a gostar do curso, mas também não queria sair; por outro lado, sempre tive um grande interesse pela filosofia e queria conhecer a história das ideias e os grandes pensadores", conta ao DN. Ao amadurecer ideias e percebendo o que mais o agradava na área, decidiu saltar o último ano da licenciatura em Filosofia e ingressar no mestrado, "algo motivado pelo facto de o mestrado só admitir candidatos a cada dois anos".

Entrou em Medicina atraído pela "ideia da prática médica, de gerir a saúde e tratar a doença de um conjunto de pessoas enquanto indivíduos". Mas foi algo que entretanto deixou de querer. "Mantenho um interesse enorme pela área da saúde e pela Medicina, mas numa vertente populacional e até global, gerindo intervenções de grande escala, ao nível de desenho de políticas públicas e sistemas de saúde", explica.

Por outro lado, a Filosofia despertou-lhe interesse pela "mundividência e pela cultura que consegue dar através do conhecimento e manipulação de algumas das ideias mais influentes da humanidade". Entretanto foi desenvolvendo "gosto por questões de ética e filosofia política - autonomia individual, liberdade, igualdade, equidade, justiça" - que são "muito relevantes também na área da saúde". Quando terminar os dois, quer resolver problemas na área da saúde. "Se o farei como investigador, político, ativista, ou de outra forma qualquer, não sei".

"Não há milagres"

A partir do momento em que decidiu enveredar pelos dois percursos, Jorge escolheu dar "o máximo em termos académicos na Filosofia", mas não o fazer na Medicina, "até porque este último curso assenta de uma forma antiquada em capacidades de memorização e repetição" que, uma vez que não será clínico, "fazem ainda menos sentido" para si. Investe nas cadeiras que acha que são úteis para a sua carreira no futuro, e no resto limita-se a cumprir os requisitos. Por outras palavras: "Eu não ando ao sabor do curso. É o curso que anda ao meu sabor". Até porque, assume, "não há milagres". "É lógico que a minha média não é tão boa como podia ser se me dedicasse a 100%, mas vejo muito mais valor para a minha futura carreira na diversificação de currículo que vou conseguindo".

Para conseguir conciliar os dois cursos, Jorge ia de carro para a Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e viajava várias vezes por semana para Braga (a cerca de uma hora de distância), onde frequentava a licenciatura em regime pós-laboral. Agora, no mestrado, vai apenas um dia por semana à Universidade do Minho. Tal como Maria, compensa algumas aulas de caráter expositivo com estudo autónomo. Além disso, os métodos das universidades são muito diferentes. "A filosofia requer hábitos de leitura contínuos ao longo do semestre, e é avaliada sobretudo pela produção de ensaios e afins. A medicina requer uma carga diária de aulas práticas e uma época de exames intensa, com grande recurso à memorização". O que se mantém constante, frisa, é o "ritmo de trabalho, que não pode nunca desligar demasiado, as poucas horas de sono, e algum desgaste físico e mental, para o qual é essencial ter válvulas de escape (desporto, amigos, arte, tanto faz)".

Ao contrário do que seria expectável, Jorge tem tempo para fazer muitas outras coisas. Trabalha ao nível da representação estudantil nacional e internacional na Medicina, é monitor na Faculdade de Medicina da Universidade do Porto em cadeiras ligadas à Bioestatística, membro da organização do Fórum Diplomacia da Saúde, e escreve regularmente sobre saúde e política para o Shifter. "Em contrapartida, este ano, e pela primeira vez desde que comecei a fazer os dois cursos em paralelo, tive de optar por fazer apenas metade do último ano de Medicina e escrever a tese de Filosofia".

Limite de créditos nas universidades

Numa primeira fase, Maria e Jorge tentaram inscrever-se em dois cursos na Universidade do Porto, mas não foi possível. Segundo a informação disponível no site na Direção Geral do Ensino Superior (DGES), "não existe qualquer proibição quanto a, em cada ano letivo, cada estudante estar matriculado em mais do que uma instituição e curso, nem no que respeita a cursos de formação inicial (ciclos de estudos de licenciatura e integrados de mestrado), nem no que se refere à frequência simultânea de licenciatura e mestrado/doutoramento ou de mestrado e doutoramento ou mesmo de diferentes ciclos conducentes ao mesmo grau ou não conferentes de grau".

No entanto, há instituições de ensino superior, como a Universidade do Porto, que têm limite de créditos. Ao DN, fonte desta instituição explica que "tecnicamente, não há impedimento de frequentar dois cursos simultaneamente, mas há de facto um limite de créditos ECTS a que cada aluno pode estar inscrito por ano e semestre, o que na prática retira a hipótese de frequentar dois cursos a tempo inteiro". O limite é, atualmente, de 81 créditos anuais e 48 semestrais quando o estudante estiver no ano de conclusão do seu curso (para referência, em média uma licenciatura tem 60 ECTS por ano).

No Instituto Superior Técnico (IST) da Universidade de Lisboa, por exemplo, é permitida a frequência simultânea. Aos 22 anos, Afonso Santos está no 5º ano de Engenharia Informática e no 4º de Engenharia Aeroespacial. Entrou primeiro em Aeroespacial (curso com uma média de entrada que ronda os 19 valores) e, no ano seguinte, em Informática. Como foi de Erasmus para a China no âmbito deste último curso, atrasou um pouco o primeiro.

"Não acho que seja difícil fazer as duas coisas ao mesmo tempo. Não há nada que eu faça que qualquer estudante não faça a estudar para os exames. Não tenho uma gestão do tempo ótima, nem nada do género. Apenas dedicação", diz ao DN, destacando que, no início de cada ano letivo, faz o horário de forma a que haja o mínimo de interceções.

Afonso faz o dobro das cadeiras que os colegas fazem em cada semestre. "Não costumo ir a muitas aulas teóricas. Vou às aulas que acho produtivas e em que estar lá rende mais do que estudar autonomamente. Na época de exames, tento distribuir os testes, de forma a ter o máximo de tempo entre eles", explica.

Por razões diferentes, o jovem encontra motivação nas duas áreas. "Gosto bastante de Informática. Tenho projeto e testes que consigo fazer com algum esforço, mas não fico acordado por causa disso. Em Aeroespacial, há cadeiras em que é preciso estudar bastante mais para ter boas notas. Isso é importante para não ficar demasiado preguiçoso", destaca. Não é que goste propriamente de estudar. "Gosto é de aprender, ver que consigo fazer coisas novas".

A vida de Afonso não é só estudar. Passa imenso tempo ao telefone com a namorada que vive na China, faz parte da equipa de Segurança Informática do IST e dá aulas práticas de uma cadeira de Informática. Bastante rápido nas respostas, fica em silêncio quando o questionamos sobre o futuro: "Não sei. De certeza que vou fazer algo mais relacionado com a Informática, mas não sei se vou estar a trabalhar ou a fazer um doutoramento. Não planeio tão à frente".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.