Desequilíbrio do pH no cérebro pode ser causa de alzheimer

Estudo de universidade norte-americana pode ajudar a diagnosticar precocemente a doença

Um desequilíbrio da acidez e alcalinidade (pH) nas células do cérebro pode ser uma das causas de alzheimer, segundo um estudo da Universidade Johns Hopkins, dos Estados Unidos, divulgado esta sexta-feira.

Esta descoberta poderá ajudar no futuro em casos de diagnóstico precoce da doença, considerou Rajini Rai, professor de fisiologia da Faculdade de Medicina da Universidade Johns Hopkins.

Quando os processos celulares não conseguem eliminar as chamadas proteínas beta-amiloides, estas acumulam-se à volta dos neurónios, o que leva à degeneração das células nervosas e à deterioração de faculdades como a memória, segundo os cientistas.

Para reverter esta acumulação, os investigadores introduziram enzimas histona deacetilase (HDAC) em células de ratos, que responderam com sucesso à estabilização do pH.

O uso destes inibidores está aprovado pela Agência da Segurança Alimentar e de Medicamentos norte-americana (FDA, na sigla em inglês) em pacientes com certos tipos de cancro de sangue, mas não para os doentes de Alzheimer, já que não conseguem ultrapassar a barreira de sangue de entrada no cérebro.

De acordo com o estudo, publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS), essa incapacidade é um desafio significativo para o uso direto dos medicamentos para tratar distúrbios cerebrais.

Para descobrir se vale a penas centrar os esforços na conceção de HDACs capazes de chegar ao cérebro, os investigadores planeiam novas experiências para averiguar se estes inibidores têm o mesmo efeito nas células de pacientes humanos.

Especificamente, os cientistas encontraram evidências no desequilíbrio da química ácido-alcalina dos endossomos, os organelos que transportam os nutrientes das células, como uma das causas do Alzheimer.

"No momento em que se diagnostica o Alzheimer, grande parte do dano neurológico já está feito e é muito provável que seja tarde demais para reverter a progressão da doença", disse Rao.

Portanto, é necessário focarmo-nos nos primeiros sintomas da doença, "sabendo que a biologia e a química dos endossomos é um fator importante muito antes de o declínio cognitivo começar", acrescentou.

Atualmente, não existe qualquer medicação que possa prevenir ou reverter a doença de Alzheimer, a demência mais comum entre os idosos e que afeta 50 milhões de pessoas em todo o mundo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)