Défice de proteína pode ajudar a explicar infertilidade nas mulheres com endometriose

Estudo conclui que défice de HDAC3 está ligada à infertilidade de mulheres com esta doença

Até hoje, não era claro o motivo pelo qual as mulheres com endometriose têm normalmente maiores dificuldades em engravidar. Mas um grupo de cientistas dos EUA e Coreia do Sul pode estar mais perto de perceber a relação entre esta doença e a infertilidade.

A endometriose é uma condição na qual o endométrio, a mucosa que reveste a parede interna do útero, cresce noutras regiões do corpo, por exemplo, no peritoneu pélvico, nos ovários, na bexiga, no apêndice, intestinos ou até no diafragma. Quando não diagnosticada e tratada, a endometriose pode progredir e afetar outros tecidos.

A prevalência da endometriose é de cerca de 10% das mulheres em idade reprodutiva. Nas mulheres com infertilidade, essa prevalência aumenta para cerca de 25 a 45%. As atrizes Lena Dunham e Whoopi Goldberg são algumas das figuras conhecidas que têm falado publicamente de como esta doença tem afetado as suas vidas.

Em 80% dos casos, a dor é a principal manifestação da doença, mas a endometriose está também associada à infertilidade e os cientistas não sabem explicar esta ligação. Mas novos estudos levantam a hipótese de a causa ser o défice de uma proteína que existe no útero.

Num artigo publicado no jornal Science Translational Medicine, um grupo de cientista dos Estados Unidos e da Coreia do Sul explicam o estudo que realizaram com uma amostra de 21 mulheres com endometriose e infertilidade, tendo concluído que elas tinham baixo nível de uma molécula denominada HDAC3 em comparação com as mulheres sem endometriose.

Na sequência desta conclusão, os cientistas fizeram experiências com babuínos e ratos e chegaram a conclusões semelhantes. A HDAC3 é um constituinte de uma proteína que ajuda a parede do útero a preparar-se para a gravidez e evita problemas com a implantação do útero. O estudo não chega a qualquer conclusão definitiva mas propõe que resolver o défice desta proteína possa ter bons resultados no tratamento da infertilidade nos casos das mulheres com endometriose.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.