Colégio Atlântico visita o DN

Os alunos redigiram as suas primeiras páginas de jornal

Nesta manhã de segunda-feira, os alunos do 8º ano do Colégio Atlântico de Setúbal, estiveram nas instalações do Diário de Notícias, nas Torres de Lisboa, para participarem no projeto educativo do Media Lab.

Os estudantes tiveram a oportunidade de conhecer melhor o DN, assistindo a um vídeo que conta a sua história e importância desde a sua criação até aos dias de hoje. Depois, tiveram uma formação na qual aprenderam as bases para se escrever uma peça jornalística, e os critérios de seleção de uma notícia. "Gostei muito da visita, pois aprendi a criar uma notícia", afirmou João Monteiro, um dos alunos.

Em seguida, divididos em vários grupos, puseram mãos à obra e redigiram as suas primeiras páginas de jornal. Sendo jornalistas por um dia, ficaram a "conhecer como se faz um jornal ", tal como enfatizou Tiago Guerra, de 12 anos.

Por fim, visitaram a redação do Diário de Notícias e do Dinheiro Vivo, vendo em primeira mão o ambiente de trabalho dos jornalistas. O jovem João Silva, de 13 anos, explicou que com a atividade teve "uma nova experiência" e aprendeu "como é ser um jornalista profissional".

O Media Lab é um projeto educativo para promover a literacia mediática com vista a formar cidadãos ativos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.