Cientista Polar José Xavier ganha prémio internacional

Galardão reconhece "contribuições excecionais"para a associação internacional dos jovens investigadores polares

O cientista português José Xavier, da Universidade de Coimbra, conquistou o prémio internacional APECS International Mentorship Award 2018, que é atribuído pela Associação dos Jovens Cientistas Polares (APECS, na sigla em inglês).

O galardão consagra o reconhecimento do trabalho e dos esforços dos investigadores no âmbito da comunidade científica polar, e da própria APECS.

Escolhido entre os mais de 60 jovens cientistas polares nomeados pelos respectivos comités nacionais da APECS (José Xavier foi nomeado pela APEC Portugal), o cientista português vê assim reconhecidas as sua "contribuições excecionais"para a associação internacional dos jovens investigadores polares.

Para o investigador, este "é um orgulho muito grande, pois é o reconhecimento da nova geração de jovens cientistas de todo o mundo, com o trabalho que temos desenvolvido com muitos países em prol da ciência e na formação de cientistas", nesta área.

Por isso, diz, este é um prémio repartido pelos meus estudantes e colegas, pela sua dedicação, trabalho e entusiasmo ao longo destes anos, particularmente aos excelentes jovens cientistas que Portugal possui, através do magnífico trabalho da APECS Portugal!".

José Xavier fez a sua primeira expedição à Antártida em 1999, quando tinha 23 anos, para estudar ao efeito das alterações na disponibilidade de alimento das aves antárticas e na cadeia alimentar. Desde então já participou em mais oito expedições ao continente austral e mais uma ao Ártico e é o delegado português ao Tratado da Antártida, que Portugal ratificou e integra desde 2010.

José Xavier já era um cientista polar premiado internacionalmente. Em 2011 conquistou o prestigiado "Martha T. Muse 2011, para a ciência e política na Antártida", que reconhece a excelência do trabalho científico a investigadores em meio de carreira com trabalho no terreno.

Em junho José Xavier e outros oito especialistas em ciências polares, lançaram um alerta na revista Nature por causa das alterações climáticas e das emissões de gases com efeito de estufa que estão na sua origem: resta uma janela de dez anos para travar a fundo nessas emissões se queremos salvar a Antártida do degelo e o resto do mundo dos impactos que isso vai causar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.