Guterres alerta para "grave conflito entre pessoas e natureza"

Na Cimeira da Ação Climática para a Juventude, o secretário-geral da Organização das Nações Unidas destacou o papel importante dos mais jovens como fonte de mudança no diálogo sobre alterações climáticas.

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, disse este sábado, na abertura da Cimeira da Ação Climática para a Juventude que, pela primeira vez na história, existe um "grave conflito entre pessoas e natureza".

O secretário-geral declarou-se e foi apresentado como "ouvinte principal" em vez de orador na abertura da Cimeira da Ação Climática para a Juventude, na sede das Nações Unidas, em Nova Iorque, e fez estas observações depois de quatro jovens ativistas, entre os quais Greta Thunberg, terem falado.

António Guterres mencionou que os conflitos políticos e geográficos acontecem há milhares de anos, mas a novidade é que as populações estão em conflito com o planeta e as consequências estão a atingir os mais vulneráveis.

Por outro lado, Guterres lembrou que há uma grande diferença no diálogo sobre alterações climáticas, desde há dois anos e que a principal fonte de uma mudança no impulso foi a juventude.

"Esta alteração no impulso foi em grande parte devido à vossa iniciativa e coragem com que começaram o movimento e transformaram, de um pequeno movimento em frente a um parlamento [...] em milhões de todo o mundo a dizerem claramente que não querem só que os políticos mudem de comportamento, mas que também sejam responsabilizados", disse António Guterres a todos os jovens.

Quer acabar com subsídios aos combustíveis fósseis

Ao lado de jovens ativistas, António Guterres defendeu o fim dos subsídios dos Estados aos combustíveis fósseis. "Não faz sentido que o nosso dinheiro sirva para fomentar furacões e destruir os corais. Vamos garantir que os contribuintes recebem o seu dinheiro de volta e não há mais subsídios aos combustíveis fósseis".

O secretário-geral das Nações Unidas fez questão de lembrar que "as alterações climáticas estão a ser mais rápidas do que nós". "Precisamos de ligar as alterações a um novo modelo de desenvolvimento", fez notar António Guterres, naCimeira da Ação Climática para a Juventude.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.