Combatem bactérias, salvam o ambiente, descobrem doenças. São as cientistas do ano

Ciência

Combatem bactérias, salvam o ambiente, descobrem doenças. São as cientistas do ano

Como combater uma bactéria resistente a antibióticos? Ou curar a mais comum distrofia muscular congénita? O que é que as microalgas podem fazer pelo ambiente e o relógio biológico por nós? As investigadoras que procuram as resposta foram premiadas como as cientistas portuguesas do ano.

Se é certo que há anos que vários estudos centrados na desigualdade de género apontam as diferenças de oportunidades profissionais entre homens e mulheres como uma realidade na maioria dos países europeus, também é certo que são elas que continuam a ser as que mais seguem para o ensino superior. Na ciência, o assunto não é diferente: de acordo com dados da OCDE, Portugal é o país com a maior percentagem de mulheres nas áreas da ciência, tecnologia, engenharia e matemática. Mas quantas delas chegam a lugares de topo?

Foi sob a missão de valorizar estas profissionais que nasceu, em 2004, a iniciativa Medalhas de Honra L"Oréal Portugal para as Mulheres na Ciência, que todos os anos premeia quatro cientistas portuguesas e as suas investigações. Depois da distinção a mais de 50 jovens investigadoras, Ana Luísa Gonçalves, Rita Carlos, Cristina Godinho-Silva e Diana Priscila Pires são os nomes a reter entre 80 este ano, anunciadas esta quarta-feira como vencedoras desta 16.ª edição.

Cada uma das vencedoras receberá um prémio individual de 15 mil euros, de forma a apoiar a sua investigação. O júri científico foi presidido por Alexandre Quintanilha, além de político, um físico português reconhecido internacionalmente. O reconhecimento parte de uma parceria entre a L'Oréal Portugal, a Comissão Nacional da UNESCO e a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT).

Como as algas, em tamanho micro, podem salvar o ambiente

Aos 30 anos, é no mar que Ana Luísa Gonçalves encontra o problema e a solução. No laboratório de Engenharia de Processos, Ambiente, Biotecnologia e Energia (LEPABE) - da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, onde se doutorou em 2017 -, procura uma resposta para retrair os estragos que os efluentes industriais, regularmente despejados por empresas.

Foi ali entre "várias oportunidades" que teve de se ligar à investigação, já durante o seu mestrado integrado, que Ana Luísa começou o seu primeiro contacto com microbiologia ambiental. E foi numa passagem académica por Paris que encontrou o seu objeto de estudo: as microalgas, como forma de tratamento terciário daquilo que é descarregado nas águas em dois principais setores económicos nacionais: as indústrias têxtil e da pasta e papel.

A ideia, explica ao DN a investigadora, é "utilizar microalgas para remover o azoto e o fósforo de afluentes industriais", visto que "estes nutrientes, mesmo após algum processo convencional, subsistem nos efluentes e a sua descarga para o ambiente pode ter alguns impactos ambientais, como a eutrofização". São também "nutrientes importantes para as microalgas", por isso, Ana Luísa pretende criar um processo que, ao alimentar este micro-organismo, retire dos efluentes o que o faz prejudicial para o ecossistema aquático.

As microalgas são também geradoras de "uma biomassa muito rica em pigmentos fotossintéticos, proteínas, hidratos de carbono, lípidos e outros elementos", podendo ser ainda "utilizada na produção de pigmentos naturais, biocombustíveis, biofertilizantes, entre outros". Por isso, as potencialidades deste objeto de investigação, acrescenta a cientista, ainda estão longe de ser conhecidas.

Encontrar a origem da mais comum distrofia muscular congénita

O nome pode soar estranho para a maioria das pessoas: MDC1A, mais especificamente distrofia muscular congénita merosina-negativa. Mas esta é a forma mais comum de distrofia muscular, causando a perda progressiva de massa muscular e incapacidade no corpo, que sem músculo fraqueja. Este tipo de distrofia em específico revela-se logo à nascença. Para a investigadora Rita Carlos, tudo isto não podia ser mais familiar.

É através do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais (cE3c), da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, que a cientista de 34 anos procura entender como se desenvolve esta doença, até agora desconhecido, de forma a encontrar a melhorar forma de a tratar ou até curar. Tudo parte do estudo das mutações gene LAMA2, que a investigadora procurará saber se são responsáveis pelo envelhecimento precoce das células dos músculos.

Ao "desvendar os mecanismos que desencadeiam esta distrofia, teremos pistas que podem ajudar, no futuro, a identificar quais as moléculas capazes de tratar a MDC1A e dar melhor qualidade de vida a quem dela sofre", diz Rita Carlos.

A investigação poderá servir para desvendar a origem desta doença poderá abrir portas para melhor compreender o funcionamento dos restantes tipos de distrofia.

O que o relógio biológico pode fazer por nós?

A paixão pela ciência, as suas potencialidades e a forma de vida, começou a fervilhar durante o seu ensino secundário "quando a professora de Biologia (a) introduziu ao fascinante mundo do material genético, DNA e RNA e, posteriormente, à biologia dos micro-organismos". Não demoraria muito até à decisão de ser cientistas: "no ano seguinte recebemos na escola a visita de um investigador a trabalhar no Instituto Português de Oncologia (IPO) que nos falou um pouco sobre o seu trabalho e o dia-a-dia de ser cientista", conta Cristina Godinho-Silva, 33 anos, uma das cientistas premiadas na 16.ª edição desta iniciativa.

Licenciou-se em Microbiologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, tendo definido mais tarde que as suas áreas de foco seriam a virologia ou patogénese viral e a imunologia, áreas nas quais já lecionou.

Em 2017, mudou o seu laboratório para a Fundação Champalimaud, onde tenta hoje descobrir de que forma é que "as perturbações no nossos horários e hábitos de sono" - isto é, o nosso relógio biológico - "influenciam a atividade das ILC2", células imunitárias com um relevante papel "na reparação e regeneração dos tecidos após uma lesão", explica. Ao mesmo tempo, perceber como pode este relógio biológico comprometer a atividade de diferentes órgãos vitais, como os rins.

"Se esta hipótese se verificar", acrescenta a investigadora, "ao compreender de que forma o relógio biológico regula a atividade das ILC2 podemos no futuro pensar em estratégias para aumentar ou reduzir terapeuticamente a atividade destas células".

Batalhar contra uma bactéria resistente a antibióticos (e ganhar)

Pseudomanas aeruginosa não é só uma bactéria. Trata-se de uma bactéria responsável por graves infeções hospitalares e elevada mortalidade. No entanto, resistente a qualquer antibiótico e considerada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como um risco para a saúde pública e uma urgência na investigação terapêutica.

Os dados não deixaram Diana Priscila Pires, de 32 anos, indiferente, que decidiu dedicar-se ao desenvolvimento de uma ferramenta de edição genética para melhorar a forma de combate às infeções causadas por esta bactéria.

O trabalho faz-se no Centro de Engenharia Biológica da Universidade do Minho, através da melhoria das propriedades dos bacterófagos, vírus bacterianas com capacidade de atacar as bactérias nocivas, como é o caso, e que não registam qualquer efeito adverso para o ser humano.

As infeções hospitalares, onde o combate a estas bactérias resistentes se torna mais relevante, representam uma ameaça mundial, em países mais ou menos desenvolvidos. Nos desenvolvidos, sete em cada 100 pacientes hospitalizados é afetado por estas infeções. Nos países em desenvolvimento, o número aumenta de 10 em 100. De acordo com estimativas da OMS, são responsáveis pela morte de pelo menos 30 mil pessoas por ano na Europa.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG